segunda-feira, 27 de junho de 2011

Está na hora de desarmar os nossos corações!

Oi pessoal!!
E ai, como foram de feriadão? Espero que bem.


Hoje eu queria focar esse nosso bate papo num fato que ocorreu nesse final de semana, referente ao resultado de um jogo de futebol. Falo do rebaixamento para a segunda divisão do time argentino, River Plate, ocorrido nesse domingo. Todos os jornais desta segunda-feira trouxeram as cenas de barbárie patrocinadas pelos "ditos torcedores" do time argentino, que resolveram extravasar seu desencanto por um simples rebaixamento em atos de violência e vandalismo. O que deveria ser apenas um momento de lazer está se transformando numa alucinação coletiva.


Fico impressionada com a frequência com que essas cenas têm se repetido, principalmente relacionadas com resultados de partidas de futebol. E fico mais estarrecida ainda ao perceber que, para algumas pessoas, esse tipo de comportamento é "normal". 


Gostaria de começar minhas "elucubrações mentais" a partir deste ponto.
Como podemos achar normal um ser humano se descompensar única e exclusivamente por causa de uma partida de futebol?
Como podemos encarar com normalidade, pessoas cometerem atos de violência e agressão contra outros seres humanos simplesmente porque eles vestem uma camisa diferente?!
Como podemos achar que temos o direito de dilapidar o patrimônio público e alheio com a desculpa de "extravasar a minha raiva"?!


O que me chama a atenção é o fato de que a sociedade não está percebendo no que ela está se transformando: num ser irracional.
Estamos reagindo e não agindo.
Estamos intolerantes e sectaristas.
Estamos nos deixando tomar pelo nosso lado mais animalesco e deixando de usar o racional, a mente, que nos foi dada para ser um instrumento de crescimento e não de destruição.


O pior é que muitos dos que estão envolvidos nas cenas que assistimos são, para a sociedade, pessoas de bem. Pais de famílias, jovens bem criados, profissionais respeitados. Ou seja, são pessoas consideradas de comportamento "normal".


Me lembro de uma colocação que fiz quando ainda era repórter da CBN. Tínhamos ido cobrir a iniciativa nacional de diminuir a violência, através da campanha do desarmamento. Naquela época dizíamos para alguns colegas e amigos: violência não se resolve apenas tirando um revólver das mãos de uma pessoa. É necessário desarmar o coração porque enquanto alguém tiver o instinto de agredir a outrem, seja com palavras ou com uma arma, ainda haverá um ato violento. 


Porque quem tem o "coração armado" vai agredir com ou sem revólver. Ele usa uma faca, um caco de vidro, uma corda, pois qualquer instrumento é uma arma em potencial.
Algumas pessoas podem até não agredir fisicamente, mas agridem verbalmente. Maltratam os que lhes cercam, cometem violência psicológica, destroem sonhos.


Por isso, eu queria que nesse início de semana a gente parasse um pouquinho para refletir em como nós estamos nos comportando na vida: será que essa violência que critico no outro, não está em mim também?!
Será que eu estou sendo um "bombeiro" ou seja, apagando os incêndios para que eles não se alastrem, ou estou mais para o "querosene" que tá botando mais fogo no incêndio que ocorre ao meu lado?!


Se queremos um mundo de paz temos, inevitavelmente, que construí-la primeiro dentro dos nosso corações.
Não ostentamos uma inteligência, para não usá-la. Ganhamos o raciocínio para que ele haja sobre nossos instintos mais primitivos educando-os, aperfeiçoando-os. E não estamos fazendo isso. Estamos nos entorpecendo com drogas, álcool e outros vícios e deixando nossas ações instintivas correrem soltas como se fossemos um cavalo sem freio.


Se ao olhar as cenas ocorridas na Argentina, ou outras similares em qualquer outro lugar do mundo, não estamos nos indignando com isso, então está na hora de pararmos para pensar no que estamos nos transformando.


Para esta semana deixo uma frase de um dos maiores exemplos de pacificação que nossa humanidade já conheceu. Que ela nos sirva de reflexão.
bjs
Xanda


  



"Se queremos progredir não devemos repetir a história, mas fazer uma história nova". Gandhi

terça-feira, 21 de junho de 2011

Deixe a fogueira do amor tocar fogo no seu coração!

Oi gente!!!
Caramba, semana com cara de feriadão, quarta-feira com cara de sexta (para quem pode, né?!) e são joão chegando! Ai que delícia!


Esta é a festa do ano que mais gosto. Não tem carnaval, não tem ano novo, o São João pra mim é especial. Das músicas, às comidas típicas aqui no nordeste (canjica, pamonha, milho cozido ou assado, bolo de milho, pé de moleque, bolo de massa de mandioca, ai, ai), ao clima, à dança, tudo é bom. Adoro!


Talvez eu goste dela por ser esta a festa que eu acho a cara do nordeste.


Mas o bom mesmo é poder esquentar o coração de esperança.
Mesmo com o tempo chuvoso, já que nesta terça (21) entramos oficialmente no período do inverno, essa é uma época do ano onde a alegria e a animação tomam conta da gente.
Tem coisa melhor do que dançar pra se esquentar do frio?!!  ;)


Mas tem um outro frio que para ser debelado, se precisa de muito mais do que uma dança: é o frio da alma.
Aquele gelo que se sente no coração quando se bloqueia o sentimento para não mais sentir, não mais sofrer. Ele pode passar a existir em pessoas que são avessas à sentimentos e emoções; em pessoas que endurecem depois de um sofrimento grande ou de uma perda; naquelas que não conseguem se compadecer do sofrimento alheio. 


Se o vento frio do inverno nos congela o corpo, o frio da alma nos endurece por dentro e não tem cobertor que agasalhe isso. É uma pena gente assim. E muitos de nós, sem percebermos, nos tornamos grandes "geleiras". Para esse frio sumir é preciso ter a coragem de abrir as portas do coração para deixar entrar um fogo arrasador chamado "amor". 


Por isso, nesse são joão deixe a fogueira da alegria esquentar o seu coração, diluindo o gelo da tristeza, do desamor, da desesperança. 
Que a sua fé suba como um lindo balão colorido e voe bem alto, fazendo você soltar rojões de esperança e de confiança plena na vida.
Que o vulcão chamado amor estoure no seu coração espalhando luz pra todo lado e iluminando a sua vida e a de quem te cerca.


Um maravilhoso são joão pra vocês!
Bjs
Xanda

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Aproveite o final de semana para amar!

Eita, e hoje é sexta-feira!!


E essa chegou com gosto especial, pelo menos aqui por Pernambuco, já que estamos em plena agitação das festas juninas. Sim, porque são joão aqui começa no primeiro dia do mês de junho e vai até o dia 30.


Não bastasse isso, ainda temos um final de semana com gosto de chocolates, jantares especiais, presentinhos, dengos e outras "coisitas" mais, inerentes a toda boa comemoração do Dia dos Namorados!!
É, o negócio vai ser animado!  ;)


Quem já recebe meus emails a algum tempo vai lembrar que certa feita chamei essa data de "Dia do Aperreio" (aperreio em bom pernambuquês significa, preocupação).
Pois é, para algumas pessoas é isso mesmo. 
Para uns porque é a tal da doideira de comprar presente, roupa nova para impressionar, buscar um lugar (normalmente cheio!) para jantar, e por ai vai.
Para outros, o aperreio é justamente por "não ter com quem se aperrear".


Mas, seja lá qual for o seu caso, lembre-se de que o importante é ter a coragem de amar.
Sem coragem, não tem como você descobrir as delícias desse sentimento.
E amar não é fazer com que sua vida "dependa da existência do outro ao seu lado".
Amar é, primeiramente, gostar de si mesmo, se dar valor, ter vontades particulares que possam ser compartilhadas ou não com o outro.


Por não gostarmos de nós como deveríamos, colocamos na mão do outro a responsabilidade de nos "fazer pleno de amor". E ai, quando esse outro vai embora, pronto: acabou-se o mundo, a vida, nossos sonhos. Nos revoltamos, nos auto destruímos. Isso não é amor. É dependência e, em alguns casos, doença.


Quem ama de verdade deixa o outro livre, confia primeiramente na sua capacidade de ser amado e depois no outro.
Quem ama de verdade fica feliz com as conquistas do outro, com seu crescimento profissional e pessoal.
Quem ama de verdade abre mão de livre e expontânea vontade de alguns desejos em prol do outro, o que não significa deixar-se dominar e anular. 


Quem ama de verdade guarda sua individualidade pois é ela que o faz único, atraente, e interessante aos olhos do outro.
Quem ama de verdade se cuida, gosta de si, e não deixa para fazer aquele regime ou mudar o corte de cabelo, de melhorar seu corpo ou de ser uma pessoa melhor, ou de finalmente realizar um sonho profissional há muito guardado, apenas quando outro vai embora e lhe dá um "chute nas nádegas".


Quem ama de verdade vê no outro a oportunidade de troca e não de complemento de algo que lhe falta, porque nós fomos criados únicos e plenos por aquilo que chamamos de Deus. Portanto, não nos falta nada, ninguém pode nos complementar realmente a não ser nós mesmos.


Ah, e quem ama não tem medo de dizer EU TE AMO.
Apesar de hoje algumas pessoas estarem como medo de se jogar "na dor e na delícia de ser o que é", não tem nada melhor do que sentir e ter prazer em sentir. É nos erros e acertos que vamos aprendendo a amar com correção e isso vai nos tornando pessoas mais fortes e mais felizes.


Como diz o poeta: 
"Quem for feliz no amor, que levante o dedo. E me responda sem medo, se verdade for. 
Quem já provou dessa água e banhou-se no rio, sabe o gosto que sentiu e a marca que ficou..."


Portanto, desejo um final de semana com muito amor e carinho para você, ao som de um bom forrózinho porque isso sim, é dança pro dia dos namorados!!!


E como não podia deixar de ser, termino meus escritos de hoje relembrando ele, o grande Rei do Baião, o mestre Luiz Lua Gonzaga!
Bjs, bom fim de semana e um maravilhoso Dia dos Namorados!
Xanda


O Xote Das Meninas

(Luiz Gonzaga / Zé Dantas)

Mandacaru quando fulora na seca

É o siná que a chuva chega no sertão
Toda menina que enjôa da boneca
É siná de que o amor já chegou no coração...

Meia comprida, não quer mais sapato baixo

Vestido bem cintado, não quer mais vestir chitão...

Ela só quer só pensa em namorar

Ela só quer só pensa em namorar...

De manhã cedo já tá pintada

Só vive suspirando, sonhando acordada
O pai leva ao dotô, a filha adoentada
Não come, nem estuda, não dorme e nem quer nada...

Ela só quer, só pensa em namorar

Ela só quer, só pensa em namorar...

Mas o dotô nem examina
Chamando o pai do lado lhe diz logo em surdina
Que o mal é da idade e que prá tal menina
Não tem um só remédio em toda medicina...

Ela só quer, só pensa em namorar

Ela só quer, só pensa em namorar...

terça-feira, 7 de junho de 2011

Acredite em você nessa semana!

Bom dia, meu povo!
Semana já em pleno andamento e nos convidando a agir.
Espero que estejam todos de alto astral, pois o sol aliado a esse ventinho gostoso está nos convidando a sorrir.

Hoje quero falar sobre determinação e insegurança. Você acredita em si?
Há pessoas que possuem uma dificuldade danada de seguir em frente. Se abalam por qualquer coisa, desistem dos sonhos facilmente, não acreditam em sua capacidade de fazer e conseguir as coisas.

Elas são plenamente dependente do que os outros pensam e dizem dela. Algumas passam a desacreditar de si porque os outros não acreditam nela. E passam a viver uma vida medíocre, infeliz, sufocando seus desejos e vocações.

Há também o outro oposto: gente que acha que pode tudo. Que faz, acontece e que tudo tem que se submeter aos seus desejos e vontades. E quando a vida não lhe dá o que "elas se achavam merecedoras" ou, "as coisas não saem como elas pensavam", pronto: é depressão, revolta e, em casos mais extremos, até atentado contra a própria vida.

Falando em morrer é bom a gente lembrar que se pode morrer de diversas formas. De uma vez, dando um tiro na cabeça, se jogando de um prédio. Ou podemos ir nos matando aos poucos, suicídio lento, reprimindo mágoas, angústias, decepções, não se achando capaz de fazer as coisas, se afastando dos caminhos que nos levariam à nossa felicidade por medo, preguiça ou acomodação. Essas coisas, aos poucos, vão nos matando, nos fazendo perder o viço, nos tirando a alegria de viver. Isso é suicídio inconsciente.

Mas tem gente que consegue superar todos e quaisquer prognósticos que se façam para elas. 
Vão atrás dos seus sonhos, mesmo sendo tachados de loucas.
Se recusam a viver uma vida medíocre, pautada no que as outras pessoas pensam que elas devem fazer.
Elas pensam por si próprias. 
Elas passam a acreditar em si e a descobrir, aos poucos, os caminhos que vão levá-la aos objetivos desejados. 
Elas passam a superar suas limitações.

Um maravilhoso exemplo disso são as pessoas portadoras de alguma deficiência física. 
Quantas, ao invés de se acomodarem ao conceito equivocado de "inválidos", mostram que ter uma deficiência é apenas uma contingência da vida para um aprendizado maior de superação de si mesmos.

E ai, fico pensando em nós, pessoas ditas "normais" fisicamente, mas que com a primeira dificuldade desistem da vida, dos sonhos, das pessoas, de si mesmos. 
Basta uma frustração pra "o mundo cair", querer bater nos outros, se detonar com álcool, drogas, ansiolíticos e outros "analgésicos" passageiros que, ao terem seu efeito terminado, só aumentam o sentimento ruim que estava por dentro. Não curam. Mascaram e nos fazem perder o momento do aprendizado, do fortalecimento das nossas emoções para administrar as ondulações da vida.

Por isso, essa semana eu convido você a conhecer o caso de uma mineira, a Dona Virgínia Diniz Carneiro.
Ela foi uma das pessoas que deram seu depoimento ao final da novela "Viver a Vida", da Rede Globo. A novela não prestava, mas os depoimentos eram interessantes. E esse, particularmente, é fantástico.
Nós o utilizamos num seminário realizado no último final de semana em Petrolina, em parceria com o amigo Carlos Pereira, e que tinha como título: Alegria de Viver.

Se você é daquelas pessoas que não acredita em si ou andou desistindo dos seus sonhos porque alguém disse que era impossível realizá-los, permita-se alguns minutos e veja o depoimento dessa mulher que se recusou a acreditar em três frases que lhe eram atribuídas permanentemente:
Você não pode
Se você não fosse assim
Quando você melhorar

Espero que ela lhe estimule e faça-o reconhecer que:
- Você pode
- Você é o que é mas pode melhorar e por isso, deve acreditar nisso e seguir em frente
E que você pode fazer tudo dentro dos seus limites, se souber entender o que a vida quer de você.

Cada um de nós tem algo bom pra fazer aqui. 
Se você não sabia, fique sabendo e comece isso AGORA!!
bjs e boa semana!
Xanda