quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Que tal descomplicar nesse final de semana?

Olá pessoal!!
Caramba, e não é que a semana está terminando?? Pensei que ia dar domingo e não dava a sexta-feira!! Mas amanhã é sexta e isso significa contagem regressiva para descansar um pouquinho (quem pode, né?). Porque para a "turma do batente" sábado também é dia de "trampo".


E para esse quase "fim de semana", eu queria deixar como mensagem uma música que gosto bastante de uns caras que só conseguiram melhorar com a passagem do tempo, um tal de um grupo chamado Titãs, já ouviram falar?!!


Pois é, eles têm uma música que deveria ser lida pela gente sempre no final do dia, como nossa reflexão. Tem um nome engraçado, "Epitáfio", mas tem um conteúdo super sério.


Ela fala sobre o tempo que a gente perde, perdendo tempo com coisas pequenas. Coisas que poderiam ter sido resolvidas de forma mais fácil. 


Ela também nos alerta sobre a importância de darmos valor ao que realmente é importante, às coisas simples da vida.


Ela nos lembra sobre a importância da gente aceitar a vida como ela é, aprendendo a caminhar com ela e não contra ela.


Enfim, ela nos convida a ver o sol se pôr mais vezes.
Por isso, coloco-a aqui como minha mensagem de final de semana sugerindo à você que, nos próximos dias, descomplique as coisas, sejas mais feliz lembrando que menos sempre é mais!!
bjs e bom final de semana.



EPITÁFIO (Titãs)

Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer

Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer...


Queria ter aceitado
As pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria
E a dor que traz no coração...


O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...


Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr

Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor...


Queria ter aceitado
A vida como ela é
A cada um cabe alegrias
E a tristeza que vier...







quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Pra quem acha que excesso de orgulho é coisa boa ...

Oi gente.
Semana especial. Lua cheia nesta quarta-feira, o que significa uma semana, por si só, iluminada.
Hoje eu queria refletir um pouco sobre uma coisa que faz parte do ser humano, mas que ele a usa de forma equivocada. Chama-se orgulho.
Orgulho é algo necessário a todos nós, pois ele nos faz valorizar aquilo que somos e fazemos. O problema está no excesso dele e é exatamente isso que nós fizemos e fazemos, alicerçados em outro mal: o egoísmo.
O exagero do orgulho traz diversas moléstias para a alma, complicando os nossos caminhos e adoecendo o nosso psiquismo. Um exemplo? Já há alguns estudos que relacionam o Mal de Alzheimer a pessoas portadoras de personalidades arrogantes, soberbas.
É o orgulho que não nos deixa ver a nós mesmos, que esconde nossas mazelas morais. Nos achamos perfeitos, irretocáveis, magnânimos, poderosos, insubstituíveis. O orgulhoso não consegue entender como é que “as pessoas não conseguem ver a maravilha que ele é”.
E ele tem um monte de facetas, caras, cores e denominações. Alguns até tentam dar a ele um nome bonito, “amor próprio”, mas que na verdade só tá mascarando é uma personalidade adoecida com baixa auto estima e falta de auto amor.
Tem um livrinho, que algumas pessoas não gostam muito (acredito eu por orgulho ferido mesmo!!), chamado “Mereça Ser Feliz, Superando as Ilusões do Orgulho”. Ele é do espírito Ermance Dufaux, pela psicografia de Wanderley Soares. Desconsidere a origem dele você que for de outra religião que não espírita, mas continue lendo o conteúdo que mostro a seguir.
Pois bem, neste livro, mais especificamente no capítulo 3, há a enumeração de 12 tipos de orgulho que aqui transcrevo de forma breve. Aproveite e verifique se, por um acaso, não tem nada que se aplique a você, vamos lá!! Coragem, heim?!
1.       Melindre – orgulho na mágoa
2.     Pretensão – orgulho nas aspirações
3.     Presunção – orgulho no saber
4.     Preconceito – orgulho nas concepções
5.     Indiferença – orgulho na sensibilidade
6.     Desprezo – orgulho no entendimento
7.     Personalismo – orgulho centrado no eu
8.     Vaidade – orgulho do que se imagina ser
9.     Inveja – orgulho perante as vitórias alheias
10.  Falsa modéstia – orgulho da humildade artificial
11.     Prepotência – orgulho de poder
12.   Dissimulação – orgulho nas aparências
E ai? Se viu em um, dois, três ou mais tipos de orgulho?
Ou o orgulho “travou sua percepção” e você não se viu como uma pessoa orgulhosa?
Seja qual for o seu caso, nosso objetivo aqui é apenas lhe alertar de que o que você tanto detecta e acusa no outro está muito mais dentro de você mesmo do que imaginas. Vemos apenas o outro como o responsável pelos erros, pelas confusões. Destacamos sempre o que o outro tem de ruim, como um remédio para nos sentirmos melhores conosco mesmos, pois nossas mazelas são tão incômodas que fugimos delas para não ter que enfrentá-las.
Quer matar um vaidoso, um personalista? Esqueça de chamá-lo para compor a mesa de um evento ou deixe de citar seu “tão nobre nome” na lista dos presentes para você ver o “pití” (nervoso, agonia, stress) que ele vai dar.
Quer acabar com um arrogante? Seja contra ao que ele diz e determina.
Quer fazer o invejoso parir o primogênito? Dê para outrem o melhor lugar na recepção ou promova outra pessoa no lugar dele.
Quer deixar um vaidoso de cabelo em pé? Erre o nome ou o cargo dele numa solenidade, na matéria do seu jornal, ou não perceba o quanto ele está elegante naquele dia.
O dissimulado fica com cara de bonzinho e de seu amigo, mas por trás lhe detona pra Deus e o mundo e, se não houver nada que possa ser dito contra você, ele ainda inventa.
Essas são apenas algumas situações consideradas “rotineiras” na nossa sociedade e que boa parte das pessoas acha “normal”, mas que na verdade são doenças morais que carregamos conosco e que envenenam a nossa vida.
É principalmente na convivência que o orgulho deixa mais estragos.
Ao invés de união, gera discórdia, intrigas, lutas por poder. Duelos por pontos de vista, supremacia de quereres.
“Qual a maior chaga moral da humanidade? O egoísmo e tudo aquilo que advém dele.” (LE)
Pois é. O orgulho pode acabar com as melhores propostas de ação em favor do próximo. Por isso, um sábio da antiguidade já dizia: “conhece-te a ti mesmo”. Sem autoconhecimento e coragem para encarar a nossa verdade e tratá-la continuaremos posando de vítimas e de bons moços, quando por dentro estaremos como lobos e sepulcros caiados.
Quem é bom e humilde verdadeiramente, nem tem noção do que é. Não precisa mostrar nem provar nada pra ninguém, não depende da aprovação dos outros para definir os rumos de sua vida.
Por isso, encerro esse post relembrando a colocação feita por alguém que tinha tudo para ser pedante, arrogante, orgulhoso e vaidoso (porque Ele era O CARA!!) e foi a pessoa mais humilde e consciente do que era e do seu papel nesse mundo. Um tal de Jesus dizia o seguinte:
“Bem aventurados os que são puros de coração, pois verão a Deus”.
“Bem aventurados os que são misericordiosos, porque eles próprio alcançarão misericórdia.”

Boa semana.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Tem gente que morreu e não sabe ...

Oi gente!!!
E ai, como foram de feriado?

O meu foi tranquilo. Trabalhando, trabalhando, trabalhando...
E se teve uma coisa que eu visitei hoje foi cemitério. Pense?!
Acho interessante esse "Dia de Finados". Apesar de achar que para lembrar de quem gosto e já voltou pra casa lá de cima, não necessite de um dia específico. 

Mas hoje eu refletia que sorte tem quem "morre de verdade".
Porque tem gente que "morre pela metade", ou seja, tá vivo na carne mas morto por dentro, no sentimento, na emoção. Nossa, quantos "mortos vivos" andam pela rua, cruzam o nosso caminho ou você conhece? Pessoas que simplesmente desistiram da vida, de lutar, de amar, de ser feliz. Quanto sofrimento, meu Deus.

Como é ruim estar morto apesar de andando e respirando. Porque para quem perdeu a alegria de viver estar respirando é pior do que a morte propriamente dita. Afinal, ela gostaria de nem ser, nada fazer, nada ouvir, nada produzir e é obrigada a se movimentar e conviver.

Tem gente que deixa de viver por uma decepção muito forte, por guardar uma mágoa profunda dentro de si, seja em relação a alguém ou a algo que a vida não lhe concedeu como ela queria.

Há também pessoas que deixam de viver simplesmente porque resolveram desistir de si mesmas, dos seus sonhos, daquilo que lhes era mais caro. 

Tem gente que morre todo dia por se acomodar em situações que lhe angustiam. Por não terem a coragem de mudar ou de "virar a mesa" vão minando todos os dias as suas energias por permanecerem como estão.

Outros morrem por se acomodarem em relacionamentos que não mais os alegram ou vitalizam e, algumas vezes, maltratam. Ficam num processo de angústia, infelizes, tristes, mas não tomam a decisão de buscar algo melhor que lhes traga plenitude, satisfação, prazer, serenidade.

Ou seja, a gente morre toda vez que desiste da determinação de ser feliz, de amar, sempre que paramos de acreditar nos nossos sonhos, de mentalizar o sucesso, o bem e a alegria na nossa vida; quando nos deixamos levar pelo pessimismo, pelo azedume, pela negação das nossas reais necessidades pessoais e emocionais.

Por isso, eu disse no início do texto que feliz é quem "morre de morte morrida". 
O desafio é vencermos nossos "demônios" e mostrar pra eles que nós somos e podemos ser felizes apesar deles!! É a gente, literalmente, acreditar em nós e no amanhã que pode ser construído pelos nossos atos e pensamentos.

Portanto, no dia dos "mortos" (que pra mim estão muito mais vivos do que a gente!!!!) pensemos na vida e busquemos fazer dela algo que valha, realmente, a pena ser vivida.

Bjs no coração.
Xanda