terça-feira, 17 de janeiro de 2012

A derrocada da sociedade brasileira através do BBB

Oi gente.

Essa semana quero usar esse espaço para fazer um desabafo. A minha profunda tristeza pela morte de algo muito importante: a moralidade.

Não venho aqui fazer apologia puritanista, não.
Não estou falando de moralidade no sentido teológico do pecado. Não é isso. Mas daquele sentimento inato que deve mover o ser humano de respeito à valores que são básicos para que se possa viver em sociedade, tais como respeito, integridade, caráter, educação, fraternidade, ética. Coisas que as pessoas se preocupavam em deixar como herança para filhos e netos.

Nos últimos anos cada vez mais assistimos ao desmoronamento desses princípios considerados hoje, por uma parcela significativa da população como insignificantes, desnecessários. E não pensem que isso se dá na classe dita "carente" apenas não. Pelo contrário! É em classes sociais ditas "instruídas" que esses conceitos estão deixando de existir.

São essas classes que estão "ditando" o que "o povo quer e gosta", desde que esse querer e gostar signifique milhares de reais a mais na sua conta bancária ao final do mês. Não interessa que o "produto" que eu vou oferecer à massa hipnotizada pelos clamores do sexo, do álcool e das drogas seja cada vez mais alucinógeno e danoso. Não. O que importa é que eu consiga manipular multidões que, levadas pelos extintos mais primários do ser humano, se animalizam e se pervetem em níveis cada vez maiores chegando até ao deterioramento moral e físico.

E o pior, a grande massa não percebe isso.
Pior, a grande massa também é composta por pessoas ditas "intelectuais e instruídas" que dependentes de seus instintos não conseguem pensar como seres humanos que são, deixando-se levar pelo chamado "cérebro reptiliano", nossa ligação com o primitivismo do qual todos nós viemos e, pasmem, alguns ainda fazem questão de se manter.

É lamentável vermos uma sociedade onde os pais estão ensinando aos filhos a se avaliarem pelo que tem de posses e não de qualidades morais. Adolescentes que estão enlouquecendo pela busca do "corpo perfeito", na paranóia de serem cada vez mais sensuais em suas fotinhas de facebook, orkut. Rapazes que confundem masculinidade com "beber até cair" numa pseudo demonstração de força aos seus "amigos" tão equivocados como eles. Ver pais de família se endividando e se degladiando como "urubus em cima do pedaço de carniça à beira da estrada", brigando por equipamentos que não precisam, simplesmente porque "estava em promoção", numa cena animalesca e deprimente.

E quem está insinuando e cultivando isso na mente da massa?
Aquilo que nós chamamos de veículos de comunicação. Mídias.
Nome bonito. Com missão grandiosa. Porém, com utilização perniciosa de uns tempos para cá.

E que me perdoem os colegas de trabalho ou a quem mais minhas sinceras e, porque não dizer, angustiadas palavras doerem e incomodarem, mas o fato é que somos também responsáveis pela queda do padrão moral de nossa sociedade.

Há 12 anos, aquela que é considerada a grande rede de comunicação desse país coloca no ar um programa com tudo aquilo que existe de mais deprimente, medíocre e baixo na televisão brasileira. Neste CAMPEÃO DE AUDIÊNCIA os grandes heróis e heróinas são criaturas vazias, agressivas, maldosas, maledicentes, futéis que usam de todas as artemanhas para ganhar R$ 1 milhão.

Este campeão de audiência diz à você há 12 anos que passe a prestar atenção na vida do outro, na intimidade do outro, no que o outro está fazendo, inclusive nas relações sexuais do outro. Enquanto você não olha para o que de fato importa: pra você e para o que estás fazendo com a tua própria vida.

Festas afrodisíacas, corpos sarados, mulheres gostosas são vendidos como a realidade da nossa sociedade, como se vida fosse apenas isso: comer, beber, transar e sacanear com o seu parceiro.

Há alguns anos, e não precisa ir muito longe não, observar a intimidade de um casal era considerado um crime. Quem praticava o voyerismo, como é chamado, era considerado uma pessoa desvios sexuais, alguém que precisava de tratamento.

Hoje, milhares de jovens e adultos PAGAM, eu disse PAGAM tranquilamente um canal de assinatura na net para DAR UMA ESPIADINHA no que os "brothers" estão fazendo quando saem do ar. E aqui, nesse grupo que vara a madrugada brechando o que é feito na CASA MAIS OBSERVADA DO BRASIL, como os seus maravilhosos criadores a definem, estão pais e mães de famílias, profissionais liberais, educadores, pessoas da lei e da justiça. Todos nivelando-se pelo que possuem de mais primitivo: o instinto animal.

Essa semana, a 12ª edição do CAMPEÃO DE AUDIÊNCIA marcou 80% o Ibope. Sabe por quê? Porque todo mundo queria saber se havia ou não ocorrido um dos crimes mais bárbaros que um ser humano pode cometer a outro: ESTUPRO.

O assunto correu as redes sociais, a mídia em geral.
O vilão? Um modelo. A vítima? Uma moça embriagada. O local? O quarto da CASA MAIS OBSERVADA DO BRASIL.

O assunto é alvo de polêmica, claro. Afinal, uma moça supostamente foi estuprada em frente às câmeras assistidas por milhares de pessoas. Mas, quantas não torceram para saber se ela acordaria ou não? Quantos, de fato, se surpreenderam com o que viam e ligaram para a polícia? Quantos acham que aquilo é um jogo de cena para ganhar ibope?

E ai, a grande rede de televisão pensa em como resolver o assunto. Primeiro: vamos tirar o vídeo do ar já que agora rolou polícia. Segundo: vamos faturar em cima dando ibope, ou seja, colocando o modelo NO PAREDÃO e o eliminando do programa. Resolvido então o problema.

NÃO. O problema não está resolvido porque o local que permite e incentiva que esse tipo de coisa aconteça continua no ar, incólume, intocável.

Fico me perguntando se as diversas mocinhas e mocinhos que assistem e comentam tão nobre programa gostariam de estar no lugar desses dois jovens que estão com as vidas manchadas por uma "diversão" onde tudo vale. Gostaria de saber se os pais e mães desse país que assistem e fazem questão de deixar os filhos na sala assistindo tão nobre produção televisiva e que comentam na frente deles os "babados dos brothers", gostariam de ver seus filhos numa situação similar ou, ainda, ter a sua intimidade de casal invadida pelos vizinhos que ficassem "brechando" pela janela ou pelo telhado para "dar uma espiadinha no quarto do lado".

Está na hora da sociedade, aquela parcela que ainda busca ter algum princípio de respeito por si próprio e pelo que lhe cerca, tomar uma atitude para dar um basta nesse assassinato de tudo que existe de mais sagrado na vida; conceitos morais divinos de respeito a si e ao seu próximo, antes que tenhamos mais pais e mães tendo que chorar pela derrocada de si mesmos e de seus filhos "hipnotizados" pelo ganho do dinheiro fácil, bastando apenas ser medíocre para se alcançar o que deseja.

Esta na hora do boicote a empresas que patrocinem esse tipo de programa, porque sem dinheiro "deixa de haver campeão de audiência". De desligar os aparelhos de televisão durante o horário em que programas como esses são transmitidos.

Está na hora dos cidadãos de bem sairem do comodismo e passarem a atuar, de fato, na sociedade.

Está na hora da gente começar a ser aquilo que exigimos dos outros: coerentes.
Boa semana.

8 comentários:

  1. Maravilhosa observação e descrição. Parabéns. Fantástico! Falando em Fantástico, o "show da vida" agora coloca como principal notícia o sucesso da vulgaridade. Michel Teló. Mais um retrato da exaltação à futilidade.

    ResponderExcluir
  2. é uma inversão de valores. Mocinhos bandidos e bandidos mocinhos.... nem sei mais quem é quem...

    ResponderExcluir
  3. Xanda querida,

    Você escreve e pensalindamente, mesmo!

    Mas não nos iludamos com o que está acontecendo nos últimos tempos, pois que a sociedade está corrompida nos seus valores mais vicerais.

    Pode apostar que as TVs como a Rede Globo vão continuar faturando mais ainda; vão crescer no ibope; vão entrar nas casas, nos celulares, nas consciências. E se acreditarem que dá ibope e grana, contratarão moças para serem estupradas ao vivo, nos BBBs da vida. E o pior é que dará 80% de ibope ou mais!

    É doloroso, mas vivemos uma sociedade onde o deus-dinheiro a tudo e todos compra e, àqueles que não consegue comprar, elimina. Tira a vez e a voz.

    Vivemos um tempo difícil, pois que o bezerro de ouro, que é o mestre tela, já está dentro de nossas casas e não tivemos educação suficiente para optar em não tê-lo; em não comprá-lo; em não consumí-lo!...

    Acredito que a mensagem do Cristo é terrível, e não é entendida exatamente por isto: É OUTRO O PARADIGMA! É preciso ter olhos de ver, ouvidos de ouvir. E os olhos que veem esta realidade aí, não vê a realidade paralela. É outro universo, outra vibração, outra sintonia.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. É uma verdadeira derrocada dos valores morais. E a Grande manipuladora de cérebros perdidos, sempre continua ilesa a tudo, lucrando milhões em cima da massa que não se dão conta dos títeres que viraram nas mãos da Poderosa Emissora.

    ResponderExcluir
  5. Xandoca, assino embaixo da sua postagem e das observações de Merlânio, o detalhe é que a moça disse que o ato foi voluntário de ambas as partes, dessa maneira, caso seja verdadeiro, o programa errou e o ex-BBB tem direito a uma gorda indenização por calúnia e difamação, já que ele foi expulso do programa acusado de estupro, bora ver o que rola, mas o que você disse em seu blog é perfeito.
    bjs
    Magno

    ResponderExcluir
  6. http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=19398

    veja matéria semelhante na agência Carta Maior

    ResponderExcluir
  7. Xanda, há anos o Big Brother deprime. É uma ideia que corrompe de maneira "sutil", apelando para a curiosidade dos que observam e alimentando outros "instintos primitivos", como vc bem os define. A cada edição do BBB, a pergunta que fica no ar é se o programa pode conseguir ser pior. A resposta é "pode" e "ficou". Concordo plenamente contigo quando diz que nossa postura é que fará diferença. Ou deixamos de assegurar a audiência a iniciativas como essa, ou continuaremos a ser colaboradores da configuração de uma sociedade mais e mais degradante. Recentemente, li uma frase e compartilho: A pergunta não é mais que mundo queremos deixar para nossos filhos, mas que filhos queremos e estamos deixando para o mundo?

    ResponderExcluir
  8. Alexandra, acabei de ler sua mensagem. Parabéns! Vibrei muito e fico muito feliz em saber que ainda existe pessoas, seres humanos que se incomodam com estas ofensas a inteligência e moralidade humana. Bom seria se você falasse ao vivo no pico da audiência tudo isso para as pessoas que tivessem assistindo...

    ResponderExcluir