quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Insone ...



Insone pela noite estou.
Não consigo deixar-me envolver pelo sono.
Na caixa, a música me embala
Mas eu não consigo me deixar levar pela sua harmonia.
O que se passa comigo?
Por que meu corpo ficou ligado esta noite?

Vejo-me insone.
O corpo cansado pede descanso, porém não consigo relaxar.

O céu está estrelado.
O ébano da noite faz as estrelas reluzirem como pequenos diamantes,
para alegrarem minha insônia.
Nenhuma nuvem empana a contemplação do meu olhar.

No som, a claridade da lua tenta suavizar minha alma,
Acalmá-la, deixar-me asserenar.
Os acordes de Debussy, meigos, doces, eternos, mágicos.
É na serenidade dessa madrugada que viajo na música
E me deixo ser levada

Hoje não tem saudade, hoje não tem dor.
Hoje tem apenas o silêncio do quarto, das estrelas.
E eu sigo em minha jornada pela madrugada,
Insone aos braços de Clair de Lune.
Apenas insone...

Nenhum comentário:

Postar um comentário