quinta-feira, 1 de novembro de 2012

A morte e o morrer ...

A morte.
O que é morrer realmente?
Será que é o findar das funções orgânicas 
de um corpo?
Sinceramente, não acho.

Acho que morrer é muito mais amplo do que simplesmente a perda de tônus vital 
e da manifestação de um corpo.

Morrer é algo muito mais profundo.
É quando a gente se sente vazio por dentro, oco,
tal qual um buraco negro, uma força lhe puxa para dentro de si mesmo
para o não ser, o não existir.
Morrer é perder o prazer de viver
deixar de querer ser.

Por isso o morrer do corpo é muito melhor.
Ruim é morrer em vida como muitos morrem.
Sem rumo, sem norte, sem prazer, sem alegria de viver.

Em outra oportunidade eu disse: feliz de quem morre bem morrido!
Porque nada há de pior do que morrer sem fenecer,
deixar de existir ainda existindo
findar-se ainda sendo.

Medo de morrer? 
Não o tenho porque sei que permaneço existindo
Tenho medo é de morrer em vida, 
Porque ai a dor e o sofrimento serão superlativos.

E se isto me acontecer terei como única opção
ficar aguardando ansiosamente o dia
em que esse corpo físico perca o viço,
e se transforme de novo em magia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário