quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Nos mares da vida

Na renda branca das espumas
costura-se o vai e vem do mar
espalhando seu manto branco
pela areia a molhar.

Assim também são as ondas da vida,
num eterno vai e vem
em algumas horas elas se espalham mansas, pacíficas
em outras com fúria.

Em ambas, a natureza faz o seu trabalho
que é o de construir algo melhor
algumas vezes tendo que destruir algo mal feito
para que só a beleza brilhe ao redor.

E depois desse tufão
vem o mar com doçura e paixão
acarinhar novamente a terra
amando-a mais, tornando-a terna.

Assim também são os nossos corações.
Cheios de orgulho, egoísmo e melindres.
Vez em quando atingidos pelos vendavais e ondas gigantes
visando limpá-los e aliviá-los desses entulhos.

Quando chega o tempo da tempestade
é que se faz necessária a fortaleza da fé
o exercício da humildade,
e o momento de aprender.

Entender o que a vida quer de nós,
o que deseja que nos sejamos.
Para que após a turbulência novo céu brilhe
e o sol junto com as ondas mansas do mar possam novamente nos acarinhar. (14.02.13)

Nenhum comentário:

Postar um comentário