sexta-feira, 23 de setembro de 2011

E que seja bem vinda a Primavera!!

Bom dia meu povo!!
Hoje eu nem ia escrever, ainda envolvida com organizações domésticas. Porém, quando eu vi que esta sexta representa o primeiro dia da primavera simplesmente não resisti!


A natureza tem a sua simbologia e sua relação direta com nossa própria vida.
No verão tudo é em grau máximo. Muito sol, calor, cores vivas pra todo lado que se olha. Em nós, isso se reflete na vontade de estar na rua, loucura pra estar em praia, festas, encontrar as pessoas, enfim, parece que os hormônios entram em pandemônio!!


Daí vem o outono. As plantas antes viçosas começam a perder a força, as folhas caem, os galhos secam. Nós começamos a "botar o pé no chão". Alguns a contabilizar perdas e ganhos. Outros a colher e avaliar as boas escolhas que fizeram nesse período. É o tempo de amadurecer os relacionamentos, as amizades, as decisões tomadas. 


Meses depois chega o inverno. Tudo fica cinza, frio, gelado, chuvoso. Os dias ganham outras cores e formas e nós somos forçados a nos "entocar", a nos recolher. Até os animais se recolhem nesse período. Os ursos "hibernam", ou seja, aproveitam o inverno para dormir, descansar, e economizar energia. Para nós é o tempo de "baixar a adrenalina", voltar-se pra dentro, olhar as coisas com mais calma, mais lucidez. Olhar pra si, cuidar de si, diminuir o ritmo.


Mas, passado o inverno a natureza volta a florescer. É a primavera!
O sol volta a brilhar, as folhas voltam a nascer nas árvores, as flores chegam com o seu colorido para iluminar e dar cor à vida. Os nossos olhos se enchem de luz com a volta do azul do céu deixando o dia mágico. E o pôr do sol?! Esse não assusta na primavera, pelo contrário, deixa tudo encantador. As noites são estreladas, enluaradas. Os pássaros voltam a fazer seus ninhos, pois é a época de procriar, de deixar a vida nascer de novo. Novos seres chegam pequenos, miúdos, para depois alegrarem o mundo com o seu cantar. Os lagos, rios e o mar adquirem cores que só eles sabem ter! Nossa, é de encher os olhos!!!


E para nós a primavera significa o florescer de novo. O "sair da toca", o desabrochar. 
É o momento do ano que as esperanças vão se renovando, os sonhos ressurgindo, alguns se materializando. Começamos a ter vontade de ficar mais bonitos, por dentro e por fora, para poder fazer jus à beleza que vem da obra Divina. Um sentimento de amor profundo e de gratidão à energia que a tudo criou brota inevitavelmente do nosso coração pela beleza que passa a nos rodear. E é essa energia que nos faz ter a vontade de criar, de viver, de amar, de descobrir novos caminhos, novos encantos.


É a época de buscar os melhores sentimentos dentro de nós, de rever mágoas, rancores, e começar a exercitar o perdão. Agora é o momento de colocar em prática tudo o que temos aprendido. Basta de tantas palavras! É hora de agir, de colocar em prática a lição que já estudamos inúmeras vezes e, como diz o poeta "já sabemos de cor". 


Isso é a primavera: o renascer do que de melhor existe no mundo e dentro de nós.
Acho que é por isso que Beto Guedes, esse mineiro que adoro, exaltou a entrada do mês de setembro: "quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos. Quero ver brotar o perdão onde a gente plantou..."


Por isso, nesse primeiro dia da primavera, desejo que bons sentimentos e emoções brotem do seu coração fazendo com que sua vida fique mais colorida, alegre, feliz, plena e realizada. 


Se for possível, dê uma paradinha nesta sexta ou nesse final de semana e vá curtir a natureza. Pegue seu marido, esposa, namorado, namorada pela mão e vá passear. Leve os filhos para a praia, vá tomar uma água de coco no calçadão e ver o por do sol no final da tarde, mostrando para eles a beleza da vida. Se você que me ler não desfruta dessa vantagem, não se preocupe. Aquele parque perto da sua casa, é um ótimo local para você correr, brincar, sorrir e dizer pra vida: eu sou feliz porque estou vivo!!


Nada de shoppings. A vida e a beleza está do lado de fora de quatro paredes convidando você a desfrutá-la!


Um bj no coração de todo mundo e um ótimo final de semana.


SOL DE PRIMAVERA 
(Beto Guedes)

Quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos,
Quero ver brotar o perdão onde a gente plantou juntos outra vez.


Já sonhamos juntos semeando as canções no vento
Quero ver crescer nossa voz no que falta sonhar

Já choramos muito, muitos se perderam no caminho
Mesmo assim não custa inventar uma nova canção que venha nos trazer,
Sol de primavera abre as janelas do meu peito
a lição sabemos de cor só nos resta aprender...




segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Você já teve coragem de fazer uma faxina mental?

Olá pessoal!!
A segunda-feira foi ensolarada aqui em Olinda. Um céu lindo!
E eu aproveitei o dia para iniciar uma faxina!
É, isso mesmo. FAXINA!!


Tem diversos tipos de faxina. Tem aquela para limpar a casa, para lavar roupas sujas, para limpar os armários, o guarda roupa, a estante de livros. Materialmente falando o que não falta é coisa para ser faxinada, não?! A gente tem que tirar o que tá sujo, ver o que ainda tem utilidade ou não e ai botar pra lavar, secar, depois organizar e guardar. E haja água e sabão, esfregão e disposição para colocar tudo em ordem. E dependendo do tamanho da bagunça (e a daqui de casa tá grande) ainda tem que ser "por partes". kkkkkk


Pois é. Mas, também há outros tipos de faxina que a gente precisa fazer e que se assemelham as que realizamos na nossa casa "física". São as tais das "faxinas internas". Essas são mais "cabulosas" (que em nordestinês significa chatas, trabalhosas) porque têm que ser feitas em locais e compartimentos internos nossos que estão mais guardados e escondidos do que o tesouro de Seráfia!!!


Essas faxinas internas têm o objetivo de retirar os lixos que andamos guardando dentro de nós, nos armários secretos, para não ter que vê-los. São aqueles sentimentos diversos, como medos, mágoas, raivas, frustrações, fobias, melindres, baixa auto estima, além das emoções mal resolvidas. A gente vai pegando esses troços que nos incomodam e vamos jogando de todo jeito dentro de um armário mental, sem arrumar ou dar solução. Como assim?! Vou explicar.


Chega um sentimento de mágoa. Daí eu penso: "Ai, mas ele doi muito e eu não quero senti-lo, vivê-lo, ver o que ele tá querendo me dizer sobre mim mesma". O que faço? Pego a tal da mágoa e empurro a dita cuja para dentro do armário secreto. Pronto, penso eu, me livrei dela.


Durante um tempo a gente até consegue esconder a danação. Porém, tudo o que é guardado e não tratado se acumula e vira bagunça. E chega uns períodos da nossa vida que o armário está tão cheio de "porcaria" que a porta não aguenta mais e abre jogando para fora todo a tralha que tava dentro do local. E aí, não tem jeito. Tem que encarar de frente a danação que a gente mesmo fez e tratar de arrumar.


Como isso aparece? Uns sentimentos básicos de melancolia, medos repentinos, depressões, coisinhas simples assim. E aí é que o bicho pega e a porca torce o rabo!!! Porque, meu amigo, minha amiga, faxina aqui é uma bronca! Pense num negócio complicado, dolorido, trabalhoso, mas necessário?!!


Quando você começa a fuçar dentro da bagunça é um tal de aperreio, angustia, precundia, dor de estômago, ansiedade, aff... Um inferno!


Mas tem que encarar a tarefa. Pior é continuar mantendo esse lixo mental dentro da gente,  atrapalhando a vida, nos deixando infelizes. Por mais dolorido que seja, por mais incômodo, o resultado final dessa "faxina interna" compensa todo o período levado para realizá-la.


Pois essa semana eu desejo que você tenha coragem de mexer naquilo que está lhe "atravancando" a vida há muito tempo e que, até o momento, não tivesses a coragem de olhar, encarar e resolver. Lhe desejo isso porque sei que, passado o desassossego, o que vai sobrar é uma pessoa mais feliz e realizada.


Portanto, uma ótima faxina para você, tá?!
Boa semana.
Xanda


segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Que tipo de condicionamento mental você alimenta?

Olá, bom dia!
Chegamos a mais uma segunda-feira, isso significa início de semana e de novos desafios e aprendizados.
Que bom. Novas oportunidades chegam para aqueles que estiverem abertos a elas.
E começar a semana com lua cheia, ui!!! Ai é melhor ainda!! Significa começar a semana com todo o gás e energia. ;)

Hoje eu queria compartilhar com vocês uma reflexão que vem me acompanhando nos últimos dias, sobre a questão do condicionamento mental.
Condicionamento é tudo aquilo que você faz de forma repetitiva sem perceber. Tem gente que é condicionado a fazer o mesmo caminho de casa para o trabalho, do trabalho para casa, sempre. Se mandar ele ir por outro local, ele não vai porque não sabe. O condicionamento o faz entrar num "piloto automático" onde ligou a chave do carro, a mente o leva direto para o caminho já conhecido.

No que se refere a nossas atitudes diante da vida e sobre a forma como nos vemos, o condicionamento se dá pelas respostas que temos aos diversos estímulos que nos chegam seja de fora, seja até de nós mesmos. Por exemplo: como você reaje quando alguém lhe critica? Qual a sua reação diante de uma dificuldade? Pensar com calma e buscar a saída, ou entrar em pânico e já se sentir um derrotado?

O condicionamento mental é algo muito interessante e, ao mesmo tempo, muito sério, pois ele é o grande determinante das nossas vitórias ou fracassos na vida. Explico.

Teu condicionamento mental faz com que você reaja sempre da mesma forma a determinadas situações que para ti são incômodas ou mal resolvidas. Como não fomos educados para sermos responsáveis pelos nossos atos, nem para aprendermos a olhar nossos sentimentos e emoções, simplesmente não percebemos que somos "negativados" em muitas de nossas iniciativas simplemente pela forma como pensamos o mundo que nos cerca e o que somos.

Isso se dá pela forma pessimista como pensamos as coisas externas e, pior ainda, como nos vemos. A ausência de auto amor, de autoestima, de confiança nas suas potencialidades, de fé em si e na energia cósmica que rege a nossa vida. Pessoas que só pensam o mal de si e dos outros não têm como ser tranquilas e felizes.

Existem pessoas que só vêem "sacanagem" ao seu entorno. Para elas, todos querem lhe passar a perna, lhe derrubar, lhe tirar algo. Tá certo que existe gente sacana mesmo no mundo, porém alimentar 24h por dia esse tipo de pensamento significa que alguma coisa está errada com você. O problema não são os outros. É a sua mente que está doente, condicionada numa vibração inferior.

É o mesmo comportamento de umas pessoas "neuróticas" com violência. Tem gente que alimenta-se mentalmente 24h dessa questão, seja pelos programas que assiste, pelas conversas que alimenta, ou pelas cenas mentais que fica criando constantemente. Algumas chegam ao cúmulo de dizer: "eu deixo uma carteira e um celular reserva no carro dar ao assaltante". Ora! No momento em que eu mentalizo isso, que eu digo e faço isso, eu estou dizendo para a energia universal que me cerca: "tô aqui a disposição do ladrão. Pode mandar ele vir". Porque você não chama logo ele para tomar uma cerveja e mata uma galinha gorda também para vocês trocarem umas figurinhas?!! Muito mais negócio!

Outro problema do condicionamento mental negativo é com relação a nós, a forma como nos vemos. Somos espíritos que estão a tanto tempo "pisando na bola" que alguns de nós chegaram ao ponto de dizer pra si: eu não mereço ser feliz. E internamente, no fundo da nossa mente, a gente não acredita mesmo que seja merecedor de ter uma vida feliz, encontrar uma pessoa bacana para compartilhar a sua vida, ter metas e alcançá-las. 

Com isso nos acomodamos em empregos que não nos dão prazer, em relacionamentos medíocres, abrimos mão de sonhos, simplesmente pelo medo de tentar fazer diferente. Porque nossa mente nos diz que "não somos capazes", que temos que dar graças a Deus pelo que temos (mesmo que nos traga dor, sofrimento e angústia) e nos acomodar naquilo. Mas, ai vem a vida e dá-lhe uma rasteira, tira-lhe sua pseudo segurança e lhe força a olhar pra dentro de si e mudar sua forma de pensar, de agir e de viver. Isso, quando você não adoece da doença da moda, chamada "depressão".

Ainda bem que existem pessoas que usam o condicionamento mental de forma positiva. Elas usam o poder de sua mente para criar o mundo e a vida que elas desejam para si. Acreditam em si, confiam nos seus sentimentos, olham a vida e as coisas com otimismo com alegria. Não são alienadas achando que "vivem no mundo de Polyanna" e que não existem as coisas ruins no seu entorno. Porém, não alimentam dentro de si negativismo, inveja, nem vivem com medo da vida. Olham tudo que lhes acontece como um  momento de aprendizado, e não de derrotismo. Usam os obstáculos como "trampolins" para crescer e não como "muro para as lamentações".
A medicina do mundo já comprova a importância do "bem pensar" para que possamos ter saúde física e mental e para que a nossa vida mude de rumo.

Portanto, nessa semana que tal você aproveitar as belas noites de lua que teremos, parar um pouquinho contemplando-a e analisar: que tipo de pensamentos estou criando para a minha vida? Estou me amando ou me desvalorizando? Estou me ajudando a crescer e ser feliz ou me boicotando? Estou me aceitando ou me rejeitando?

Boas descobertas e uma semana iluminada para você.
Xanda

A BATALHA DOS LOBOS
Uma noite, um velho índio falou ao seu neto sobre o combate que acontece dentro das pessoas. Disse-lhe:
- A batalha é entre os dois lobos que vivem dentro de todos nós.
Um é Mau: é a raiva, inveja, ciúme, tristeza, desgosto, cobiça, arrogância, pena de si mesmo, culpa, ressentimento, inferioridade, orgulho falso, superioridade e ego.
O outro é Bom: é alegria, fraternidade, paz, esperança, serenidade, humildade, bondade, benevolência, empatia, generosidade, verdade, compaixão e fé.
O neto pensou nessa luta e perguntou ao avô: - "E qual é o lobo que vence? "
O velho índio respondeu: - "Aquele que você alimenta!"
 



quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Brasil: a caminho da sua real independência

Hoje é 7 de setembro.
Uma data histórica para todos nós brasileiros, pois representa o Dia da Independência de nosso País do jugo português. Naquele idos de 1822, às margens do rio Ipiranga, o príncipe regente Dom Pedro dava o "Grito de Liberdade" para o povo brasileiro. Começava ali, realmente, o que hoje conhecemos como o nosso Brasil.


Muito tempo se passou de lá pra cá. 
Tanto que para alguns a data de hoje representa apenas mais um "feriado nacional", ou seja, uma boa oportunidade de ir para a praia. Sim, até porque, para nós que moramos aqui no Nordeste desse maravilhoso Brasil a temporada de sol começa realmente agora. A abertura oficial do verão, como se diz por aqui.


Os desfiles cívicos em todo o país ainda tentam manter viva essa coisa do amor à Pátria, da cidadania. Mas, infelizmente, a realidade é que pouco se tem estimulado nas nossas escolas o amor ao nosso país, a essa terra maravilhosa que de tudo nos dá e, que se não dá, não é porque ela não pode, é porque quem dela toma conta não quer.


Mas hoje, talvez pela primeira vez na minha vida, parei realmente para pensar no que significa esse Dia da Independência. Apesar do Grito do Ipiranga, ainda estamos caminhando no que se refere a independência real.


Ainda temos muitas pessoas dependente da esmola dos outros, muitos que passam fome, outros que vivem em condições sub humanas, a beira de esgotos e canais, sem nunca terem usado um banheiro na vida. Isso mesmo!! Sem nunca terem usado um banheiro. E não pensem que isso é nesse interior de meu Deus, porque não é. É nas capitais que encontramos seres humanos em condições desumanas de sobrevivência. Para esses, a independência, infelizmente, ainda não chegou.


Vemos ainda em nosso país gente que ganha muito, gente que ganha muito pouco, gente que nem ganha, porque não tem seus direitos trabalhistas garantidos. Um exemplo disso é na maciça maioria dos hospitais do interior de Pernambuco, por onde andei recentemente com a Caravana do Cremepe, em pleno sertão do São Francisco.


Na Pátria do Cruzeiro muita gente ainda está sem rumo, jovens sem perspectivas de futuro, pais que vendem seus filhos para a prostituição por R$ 0,50, adolescentes que buscam no álcool e nas drogas a saída para a falta de saída de suas vidas.


Nesse Brasil independente muitas pessoas são dependentes de anciolíticos, do outro, de padrões equivocados de comportamento, de pensamentos ilusórios do que é a real felicidade. São dependentes de ter as coisas para serem feliz e esquecem de ser feliz com o que tem.


No país que tem o verde como uma das cores de sua bandeira, vemos as matas e florestas sendo derrubadas e destruídas pela exploração grotesca, acabando com os mananciais de água, com as reservas ecológicas naturais de nosso Brasil. Pessoas que visam apenas o seu lucro e não, o do país onde moram.


Nesse Brasil de tamanho continental, as pessoas se separam porque moram na Região Sul ou Norte, esquecendo que todos são feitos do mesmo material: corpo de carne, sangue vermelho, tecidos, pele, osso. E se dizem seguidoras do Cristianismo que prega que todos nós, independente da cor, raça ou classe social, somos todos filhos do mesmo Pai e, consecutivamente irmãos.


Mas, eu sei que tudo isso que ainda existe tem prazo de validade para acabar. 
Os tempos são chegados, graças a Deus, e tudo aquilo que é contrário ao amor, ao equilíbrio, a caridade, ao social, ao coletivo, vai deixar de existir.


Governos começam a se preocupar com os mais necessitados. A fatia do bolo, antes larga e grossa apenas para os que podiam pagar, começa a ser dividida com mais equilíbrio para o mais pobre, o mais carente. Gente começa a ter uma vida mais digna, com casa, comida e oportunidades. Áreas estão sendo saneadas por esse Brasil afora, o que vai gerar mais saúde para a população. 


Oportunidades de emprego e educação começam a existir para todos os recantos do país, trazendo desenvolvimento e progresso para os locais mais remotos desse Brasil.


As ditaduras mundo afora, e também aqui no Brasil, seja de que sentido for, estão caindo, sendo destruídas, porque as pessoas não aguentam mais viver na opressão. 


Em diversos pontos do país, pessoas anônimas fazem sua parte tentando melhorar a vida de outros mais necessitados numa grande corrente de amor e solidariedade.


Negociatas, comportamentos anti éticos, roubalheiras do dinheiro público começam a ser desmascaradas e a sociedade a se indignar e cobrar novas posturas. Mas, o primeiro a dar um novo rumo às posturas de vida somos nós mesmos, que fazemos a sociedade e, consecutivamente, fornecemos o material humano para a política, o jurídico e o social.


Jovens com outras mentalidades, mais éticos e comprometidos com o meio ambiente e com o que é certo estão voltando para esse mundo, se tornando profissionais de sucesso mais cedo, porque o tempo urge e não há tempo mais para se perder. As mudanças são urgentes para podermos alçar nosso país ao patamar de Pátria do Evangelho.


Não mais o evangelho de fachada, mas o evangelho vivido, sentido e praticado na vida de relação como um todo. Evangelho que vai mudar os costumes, as leis, as ações. E quem não quiser acompanhar essa mudança ficará para trás, porque nesses novos tempos não haverá mais espaço para separatismos, disputas inócuas entre irmãos que pensam diferente. A política será realmente a "ciência do bem viver" e não o trampolim para a satisfação egoica dos desejos mesquinhos e pessoais.


Em breve esse slogan que consta de nossa bandeira, "ordem e progresso" deixará de ser apenas meras palavras para se tornar uma realidade social. 


Eu não sei se estarei por aqui ainda quando essas coisas realmente começarem a se tornar "realidade". Mas sei que elas ocorrerão sim, porque eu acredito numa coisa inexorável: a lei de evolução.


Neste 7 de setembro, eu queria deixar aqui minha homenagem ao país que me recebe a algumas existências e que tem sido pra mim, muito mais do que uma casa: um lar.
Esse post de hoje também é um grito de esperança que dias melhores estão chegando para o povo do Brasil porque o sol brilha pra todos!


Viva o nosso Brasil. 
Viva a consciência.
Viva à Terra do Cruzeiro, pátria amada e idolatrada.
Salve o nosso 7 de setembro.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Tudo na vida é uma questão de escolha.

Olá pessoal!!!
Como estão todos?!! Espero que bem.
Semana já começou e trouxe uma lua nova entrando em crescente, o que significa que em poucos dias teremos a primeira lua cheia do verão!!


Interessante como as fases da lua estão diretamente ligadas à nossa existência. 
Reparem que ela é como nós: cíclica.
Tem época que ela tá apagadinha, escura, apenas uma lua nova ainda sem brilho. 
De repente, ela começa a sair devagarinho dessa escuridão, a ficar aos poucos iluminada e a ir se enchendo tornando-se forte. Até torna-se plena, cheia, brilhante, no auge do seu esplendor. E lá na frente, ela começa a minguar, a ir apagando-se aos poucos, para poder se renovar de novo.


Assim é a nossa vida, em diversos aspectos.
Nascemos ali apagadinhos como a lua nova. Depois começamos a crescer, a aprender a andar, falar, a interagir com o meio e as pessoas, até chegarmos à plenitude de nossa forma física com toda nossa vitalidade. E ai a natureza começar a declinar, a se transformar e requalificar. Não mais a pujança da juventude, mas a calma e a serenidade da sabedoria que só a vivência da vida com o passar dos anos nos traz.


Mas não é só no ciclo biológico de nossa existência que somos como a lua.
Também somos cíclicos na vida de relação, de trabalho. Uma hora estamos plenos, outras apagados. A impermanência traz a certeza de estar vivo, pois nos impulsiona o tempo todo para tomadas de decisões e novos aprendizados. Tudo é apenas uma questão de escolha.


Mas o danado é que tem gente que tem medo dos ciclos.
Tem aqueles que querem manter-se sempre na lua cheia, plenos de juventude. Juram que conseguem estar nos 60, 70, com a cara de 20. Coitados!! Não sabem viver em plenitude cada etapa da existência porque estão presos ao que é fútil, ao material, ao visual. Estão presos a ilusão da forma, e com isso deixam de viver "a beleza de ser o que se é".


Outros não conseguem sobreviver aos quartos minguantes e não entendem a necessidade da lua nova na sua vida. São os momentos de reflexão, de ficar consigo próprios, de reavaliarem o que são e o que desejam, de repensar os caminhos, de rever a vida, de introjetar-se. Tem gente que fica em pânico quando entra nessas fases!! Vai logo pro psiquiatra alegando "depressão" e querendo logo um medicamentosinho para "ficar legal".


Só há uma coisa que pode fazer a gente, realmente, ficar legal na vida: aprender a viver sem ter medo. Não se acomodar com o que lhe faz mal, ter fé e esperança, acreditar que pode fazer diferente e não ter medo de olhar pra si, mas olhar de verdade e se ver como realmente se é.


Na vida tudo é opção. Ser feliz ou infeliz, alegre ou triste, doente ou sadio.
Qual é a sua opção?!
Boa semana.
Xanda

QUESTÃO DE ESCOLHA

Na faixa mental em que você atua, é natural que receba as mensagens com o mesmo teor vibratório como as envia.

Quem aspira à elevação moral e espiritual, sintoniza com vibrações superiores, que se fazem estímulos vigorosos, produzindo harmonia 
interior e renovação.

Da montanha, a visão da paisagem é mais ampla e o ar mais saudável.

Quem se demora no pessimismo, acalentando insucessos, assimila ondas
inferiores, que carreiam miasmas pestilenciais, fixando-os nos painéis 
da emoção, que geram desequilíbrios e enfemidades.

No vale, a faixa de liberdade é menor e o campo de ação mais abafado.

Entregando-se a Deus - " a onda de comprimento nulo e de frequência infinita" - você se transfere psiquicamente, onde se realiza plenamente.

Atormentando-se com dúvidas e paixões dissolventes, onde as distonias desalentam ou aceleram o ser, você tomba, mentalmente, nas demoradas faixas das sensações inferiores, nas quais se desarticula.

O céu está ao seu alcance.
O inferno encontra-se a um passo de você.
É questão de escolha...

Quando você sorri com alegria, os seus equipamentos se descontraem.
Quando você se encoleriza, todos os seus implementos recebem altas cargas vibratórias destrutivas.

A felicidade começa no ato de desejá-la.
A desdita se inicia no instante em que você lhe dá guarida.

Utilize bem o seu tempo, tudo fazendo para que o seu momento seguinte seja-lhe sempre mais promissor e agradável.

O que não alcance agora, insistindo, conseguirá depois.
Eleja, portanto, os ideais de engrandecimento humano e não se detenha nunca.
(Marco Prisco / Psicografia de Divaldo Franco)