quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

O que você vai fazer com a toalha mágica de 2012?

E ele acabou...
Pois é, neste sábado, cronologicamente falando, concluímos mais uma etapa de nossas vidas. Terminaremos o ano de 2011. Nossa e que ano, heim?!


Só escuto neguinho dizendo: quero tá bem acordado à meia noite para ter certeza de que ele foi embora mesmo!! Como assim, 2011?!! Já vai tarde!! kkkkkkkkkkk 


Pois é. 
Parece que 2011 foi o ano das sacudidelas, do "baculejo" como costumo dizer. Mas foi mesmo. Muita gente mexida, remexida, bagunçada, reorientada, teve de tudo esse ano.
Dizer que é bom, não é.
Porém, como sabemos que toda crise significa que a vida está nos dizendo que "tá na hora de ajeitar as coisas" vale a pena pensar tudo o que rolou esse ano com olhos diferentes e perguntar a si mesmo: o que tudo isso quis me ensinar? Aprendi a lição ou vou precisar repeti-la? Desisti dos meus sonhos? O que me falta para retomá-los? Estou acomodado na mesmice por medo de tentar o diferente, seja no campo profissional, pessoal ou amoroso? Não será a hora de investir na mudança, ter a coragem de ousar em busca da minha felicidade?


O fato é que fim de ano é tempo de balanço geral (isso não é privilégio apenas do sistema bancário nacional, heim?!!!).


E pra garantir um ano novo com novas energias muita gente vai em busca das adivinhações, superstições (cores de roupa, banhos especiais, rituais, etc.). Todos divertidíssimos e muito válidos. É um barato ver um monte de gente pulando onda na beira mar ou enchendo a boca com uva, romã, enfim, tem de tudo né?!


Porém, tudo isso será ineficaz se não for acompanhado de um pensamento positivo e do sincero e real desejo de mudar, de ser e fazer diferente no ano que chega, porque a energia que vai fazer tudo acontecer não vem de fora pra dentro, mas sim, de dentro para fora.


Para quem estiver a fim de mais uma "receita para o ano novo", encaminho abaixo o texto de um irmão simples, mas que na sua singeleza diz absolutamente TUDO!! Ela é baratinha, baratinha e você não vai precisar comprar nada.


Tenho certeza absoluta que, se seguirmos essa receita, 2012 será aquilo que a gente mais deseja: um ano, se não sem problemas, pelo menos conosco prontos para encará-lo com a paz de espírito necessária.


Muito mais do que o pipocar da champagne, que pipoque dentro de nós a vontade de ser diferente e que isso faça um grande estouro de alegria na nossa vida nos dando a força e a coragem de continuar caminhando, agora de forma mais "pé no chão".


Desejo sinceramente um ano bom para todos, seja ele de que forma for, mas com um item indispensável: muito AMOR. O resto vem por acréscimo.
Bjs no coração e até 2012.
Xanda
A TOALHA MÁGICA

Pedi a Pai Joaquim uma bênção a todos nós para o próximo ano. 
E ele gentilmente me transmitiu essas palavras que compartilho com todos aqueles que apreciam as palavras desse amigo benfeitor:

"Considere, meu filho, que no ano novo você ganhará de presente de Deus uma toalha mágica, capaz de proteger você de todo o mal. É uma toalha branquinha como a neve, bem macia como os campos de algodão. VOcê pegaria essa toalha com as mãos sujas?
Você usaria essa toalha sem antes tomar um banho? Com certeza, não.
Então, meu filho, entre no novo ano bem limpinho também. Mas não é só a limpeza do corpo que você deve se preocupar. É a limpeza da tua alma que pode estar sujinha de tanta coisa ruim que passou por você e você segurou. Esteja limpinho,meu filho.
Limpinho de mágoas.
Limpinho de medos."
Limpinho de culpas.
Limpinho de ódio.
Limpinho do receio de tentar outra vez aquilo que não deu certo no ano que está acabando.

O Ano novo é a toalha que Deus lhe dará de presente para que tua vida recomece outra vez. Você não vai sujar essa toalha nova com as coisas velhas, vai?
Que meus filhos aproveitem esse presente e reinventem a própria vida em cada dia do novo ano que está chegando. Ano novo é virada, e sua alma precisa aprender a virar para o bem de uma vez por todas.
Usem a toalha de Deus, mas estejam de coração puro e feliz, como uma criança que acabou de nascer.
( Pai Joaquim / José Carlos De Lucca ).

domingo, 25 de dezembro de 2011

E Ele nasceu para iluminar a vida na Terra ...

E Ele nasceu.


Em uma noite belíssima, onde a natureza parecia ter separado o que de mais belo ela podia ofertar. 
O céu estava recheado de estrelas que reluziam, tais como pequenas pedras de brilhante. 
A brisa soprava suave, com medo de fazer barulho e atrapalhar aquele momento.
As árvores balançavam vagarosamente, fazendo do farfalhar de suas folhas uma suave melodia.


E lá dentro daquele espaço humilde, em cima de um monte de palha e feno, uma mãe sentia as dores do parto. O marido aflito, acompanhava de perto o sofrimento da mulher querida e aguardava ansioso pela chegada do rebento.


Os animais que moravam naquela estribaria aguardavam ansiosos e silenciosos aquele momento. Parecia até que eles sabiam da magia que marcava aqueles minutos, aqueles instantes. 


Era a Vida que nascia. A Vida em abundância que saia do ventre daquela mulher. Era a Vida em plenitude.
Expectativa.
E lá chegava Ele. Pequeno, indefeso, frágil. Ele nascia!!


E tudo se modificou. A noite transformou-se em festa, alegria. 
O céu ficou mais iluminado, brilhante. Uma estrela cadente passou rasgando o véu noturno em comemoração à sua chegada e anunciando ao mundo: ELE ESTÁ ENTRE VÓS!!


Foi numa noite linda que nasceu Aquele que é o maior homem que esse planeta já teve o prazer de conhecer. 


O Mestre dos Mestres.
O Mestre do Amor.
O Mestre simplesmente Inesquecível.


Grandioso em virtudes, Ele optou por nascer de uma família humilde, num lugar simples passando a mensagem de que, grande não é aquele que ostenta por fora, mas o que possui por dentro.
Grande não é quem pensa que é. Grande é quem tem a noção de sua grandeza e vive sua simplicidade.


Dono de uma missão importante e árdua, Ele optou por começar de baixo, sem buscar as vantagens de uma família abastada ou do luxo, mas vivendo em simplicidade. Mostrando que o necessário para o bem viver é muito pouco e não precisa de grandeza.


Naquela longínqua noite de Jerusalém, nascia Aquele que mudaria os destinos do mundo.


Sua mensagem tão simples, ainda era incompreensível para os homens da época.
Tão incompreensível que foi transformada em uma mensagem de sangue, de guerras, de perseguições, de separatismo, de poder.


Eles não entendiam o que era Amar. Como assim, amar sem ter? Amar sem obter?
Como amar ao outro se ele é tão diferente de mim? Se divergimos, se ele não comunga dos mesmos pensamentos e ideias que eu?


Não, eles não entenderam Sua mensagem.
Mesmo os seus apóstolos, aqueles escolhidos para lhe dar o suporte para multiplicar a sua missão, não O entendiam. 


Ele era realmente Incompreensível. 
Não queria dominar, queria conquistar pelo afeto.
Não queria impor, queria ofertar a Boa Nova.
Não desejava o destaque, o status, e sim, a simplicidade da convivência sadia.
Não julgava as atitudes alheias, antes as entendia e perdoava.
Não cobrava nada de ninguém, apenas mostrava o caminho certo e deixava que os outros fizessem suas escolhas.


Ele era realmente Incompreensível.
Como podia amar pessoas miseráveis, sujas, maltrapilhas?
Como podia tocar leprosos do corpo e da alma sem se contaminar?
Como podia tolerar as atitudes das adulteras, dos homens corrompidos pelo dinheiro?
Como podia abraçar um amigo, mesmo sabendo que ele lhe trairia?


Ele era simplesmente Maravilhoso.
Levava luz e alento à corações sofridos apenas com suas palavras de amor.
Renovava as esperanças dos desesperançados da sorte com seu sorriso amoroso.
Acalentava os que choravam junto ao seu coração bondoso.
Curava os olhos da carne, daqueles que já começavam a se curar da escuridão do espírito.
Levantava os decaídos, os paraplégicos, para que eles retomassem a caminhada em direção ao Pai.
Valorizava as mulheres, não como um instrumento para a satisfação de seus desejos carnais, mas como seres humanos e filhas do mesmo Pai.
Olhava as crianças como os pequenos espíritos que precisavam de amor e luz, para poder se desenvolverem em homens e mulheres de bem.


Ele foi Incrível até seu último momento.
Por isso, Ele é o Avatar dos Avatares.
O Profeta dos Profetas.
O Exemplo de Luz a ser seguido, independente de cor, raça ou credo.


Seu exemplo de vida ultrapassou gerações e hoje, apesar de ainda incompreendido, é lembrado pelos homens da Terra.


Quiçá, Mestre e Amigo Jesus, chegue o dia em que o natal se transforme no que realmente deve ser: numa noite onde as pessoas se encontrem pelo prazer de Te louvar, para Te agradecer pela presença em nossas vidas. Para Te oferecer a própria existência em favor da construção do Reino de Deus aqui nesse planeta chamado Terra.


Glória a Deus nas Alturas!!
Glória ao nascimento do Mestre Jesus.
Feliz aniversário Amigo querido.


Xanda

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Deixe a luz crística entrar em seu coração nesse Natal

Oi gente!!
Andei sumida, né?
Mas não pensem que deixei de curtir a última lua cheia de 2011. Pelo contrário, aproveitei-a em alto estilo: na praia de Tamandaré, no litoral sul. E Papai do Céu não se fez de rogado e deixou as noites maravilhosas naquele final de semana.


Mas, hoje vim aqui rapidinho primeiro pela saudade de escrever, segundo porque como está chegando o Natal eu queria conversar um pouco sobre uma coisa que acontece nesse período com algumas pessoas: melancolia de fim de ano.


Um monte de gente fica "de bode", nessa época do ano, ou seja, deprimida, baixo astral. É até comum escutarmos frases do tipo: detesto fim de ano!!! Os motivos são os mais diversos, seja porque isso remete ao sentimento de família (e muita gente se perdeu da sua), seja porque lembre alguém que já partiu, seja porque tem gente que não gosta mesmo de ver a alegria dos outros.


Independente de qual seja o motivo, o fato é que essas melancolias podem nos levar a doenças profundas como a depressão e, nessa época, são danadas para levar as pessoas à prática do suicídio. Se tivéssemos a coragem de olhar realmente para dentro de nós veríamos que por trás desse "abuso" com relação ao fim de ano, estão questões mal resolvidas ou trabalhadas dentro de nós. Perdas que não assimilamos, mudanças de vida que não foram aceitas, situações que não se concretizaram e nos geraram rebeldia e revolta íntima.


E essas coisas continuarão existindo enquanto não tivermos a coragem de encará-las de frente e usar do recurso da resignação ativa, ou seja, a aceitação que não nos faz estagnar, e sim, transmutar a frustração e fazer "do limão uma deliciosa limonada".


É a nossa baixa frustração às perdas e aos reveses da vida que nos levam a essas situações e nos colocam em situação emocional deplorável naquela que deveria ser a melhor época do ano para todos os que se dizem cristãos.


Segundo o calendário humano, foi neste mês que nasceu Aquele que veio nos mostrar que existem outros caminhos a serem seguidos. Que a alegria é sim, possível, desde que sigamos a lei do Amor, a única que pode verdadeiramente nos fazer superar as adversidades e as dores. O natal significa relembrar os exemplos de amor, carinho, doação, paciência e perseverança que Jesus teve para com seus apóstolos e o povo daquela época e que, ainda o pratica em relação às nossas "cabeçadas" até hoje.


O natal é a gente relembrar que não está só, que Ele está presente sempre nas nossas vidas, principalmente, quando as coisas "apertam para o nosso lado". Ele dizia que estaria conosco até o fim dos tempos, dos tempos do egoismo, da dor, da nossa imaturidade. Ele sempre está.


Portanto, neste Natal eu desejo à você, cujo coração está sofrido e em dor, que permita-se iluminar pelo amor do aniversariante do dia. Não se preocupe com mesa farta, roupa bonita e presentes caros. Se isso até hoje não te trouxe a paz e a alegria que buscavas, tenta outros caminhos, da simplicidade, da reflexão, da coragem, da perseverança e da fé.


Que neste fim de semana, a tua vida e a tua casa possam ser iluminados por Ele, nosso amigo, companheiro de todas as horas e o maior exemplo de luz que possamos ter na nossa vida: o Mestre dos Mestres, Jesus.


Um bj no coração de cada um e um FELIZ NATAL.
Xanda


PRA VIVER A VIDA
(Grupo Vozes e Acordes)

Há tanta gente perdida, sofrida, aturdida, magoada, sem explicação.
Gente que vive o desgosto, orgulho, rancores, calúnias e a solidão.

E não percebe que a vida é mais do que a vida, ela é estrada, é renovação.
Deste caminho de pedras que estamos seguindo, brotará a perfeição.

Olhe pra frente e esqueça das vezes que a vida te joga, te leva ao léu.
Declame o rosa das flores, as nuvens, os pássaros e o sublime azul do céu.

Recriar a insensatez, de viver, de crescer e amar.
E abraçar a lucidez do amanhã bem melhor que virá.

Pra viver a vida.









quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Que tal descomplicar nesse final de semana?

Olá pessoal!!
Caramba, e não é que a semana está terminando?? Pensei que ia dar domingo e não dava a sexta-feira!! Mas amanhã é sexta e isso significa contagem regressiva para descansar um pouquinho (quem pode, né?). Porque para a "turma do batente" sábado também é dia de "trampo".


E para esse quase "fim de semana", eu queria deixar como mensagem uma música que gosto bastante de uns caras que só conseguiram melhorar com a passagem do tempo, um tal de um grupo chamado Titãs, já ouviram falar?!!


Pois é, eles têm uma música que deveria ser lida pela gente sempre no final do dia, como nossa reflexão. Tem um nome engraçado, "Epitáfio", mas tem um conteúdo super sério.


Ela fala sobre o tempo que a gente perde, perdendo tempo com coisas pequenas. Coisas que poderiam ter sido resolvidas de forma mais fácil. 


Ela também nos alerta sobre a importância de darmos valor ao que realmente é importante, às coisas simples da vida.


Ela nos lembra sobre a importância da gente aceitar a vida como ela é, aprendendo a caminhar com ela e não contra ela.


Enfim, ela nos convida a ver o sol se pôr mais vezes.
Por isso, coloco-a aqui como minha mensagem de final de semana sugerindo à você que, nos próximos dias, descomplique as coisas, sejas mais feliz lembrando que menos sempre é mais!!
bjs e bom final de semana.



EPITÁFIO (Titãs)

Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer

Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer...


Queria ter aceitado
As pessoas como elas são
Cada um sabe a alegria
E a dor que traz no coração...


O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar...


Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr

Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor...


Queria ter aceitado
A vida como ela é
A cada um cabe alegrias
E a tristeza que vier...







quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Pra quem acha que excesso de orgulho é coisa boa ...

Oi gente.
Semana especial. Lua cheia nesta quarta-feira, o que significa uma semana, por si só, iluminada.
Hoje eu queria refletir um pouco sobre uma coisa que faz parte do ser humano, mas que ele a usa de forma equivocada. Chama-se orgulho.
Orgulho é algo necessário a todos nós, pois ele nos faz valorizar aquilo que somos e fazemos. O problema está no excesso dele e é exatamente isso que nós fizemos e fazemos, alicerçados em outro mal: o egoísmo.
O exagero do orgulho traz diversas moléstias para a alma, complicando os nossos caminhos e adoecendo o nosso psiquismo. Um exemplo? Já há alguns estudos que relacionam o Mal de Alzheimer a pessoas portadoras de personalidades arrogantes, soberbas.
É o orgulho que não nos deixa ver a nós mesmos, que esconde nossas mazelas morais. Nos achamos perfeitos, irretocáveis, magnânimos, poderosos, insubstituíveis. O orgulhoso não consegue entender como é que “as pessoas não conseguem ver a maravilha que ele é”.
E ele tem um monte de facetas, caras, cores e denominações. Alguns até tentam dar a ele um nome bonito, “amor próprio”, mas que na verdade só tá mascarando é uma personalidade adoecida com baixa auto estima e falta de auto amor.
Tem um livrinho, que algumas pessoas não gostam muito (acredito eu por orgulho ferido mesmo!!), chamado “Mereça Ser Feliz, Superando as Ilusões do Orgulho”. Ele é do espírito Ermance Dufaux, pela psicografia de Wanderley Soares. Desconsidere a origem dele você que for de outra religião que não espírita, mas continue lendo o conteúdo que mostro a seguir.
Pois bem, neste livro, mais especificamente no capítulo 3, há a enumeração de 12 tipos de orgulho que aqui transcrevo de forma breve. Aproveite e verifique se, por um acaso, não tem nada que se aplique a você, vamos lá!! Coragem, heim?!
1.       Melindre – orgulho na mágoa
2.     Pretensão – orgulho nas aspirações
3.     Presunção – orgulho no saber
4.     Preconceito – orgulho nas concepções
5.     Indiferença – orgulho na sensibilidade
6.     Desprezo – orgulho no entendimento
7.     Personalismo – orgulho centrado no eu
8.     Vaidade – orgulho do que se imagina ser
9.     Inveja – orgulho perante as vitórias alheias
10.  Falsa modéstia – orgulho da humildade artificial
11.     Prepotência – orgulho de poder
12.   Dissimulação – orgulho nas aparências
E ai? Se viu em um, dois, três ou mais tipos de orgulho?
Ou o orgulho “travou sua percepção” e você não se viu como uma pessoa orgulhosa?
Seja qual for o seu caso, nosso objetivo aqui é apenas lhe alertar de que o que você tanto detecta e acusa no outro está muito mais dentro de você mesmo do que imaginas. Vemos apenas o outro como o responsável pelos erros, pelas confusões. Destacamos sempre o que o outro tem de ruim, como um remédio para nos sentirmos melhores conosco mesmos, pois nossas mazelas são tão incômodas que fugimos delas para não ter que enfrentá-las.
Quer matar um vaidoso, um personalista? Esqueça de chamá-lo para compor a mesa de um evento ou deixe de citar seu “tão nobre nome” na lista dos presentes para você ver o “pití” (nervoso, agonia, stress) que ele vai dar.
Quer acabar com um arrogante? Seja contra ao que ele diz e determina.
Quer fazer o invejoso parir o primogênito? Dê para outrem o melhor lugar na recepção ou promova outra pessoa no lugar dele.
Quer deixar um vaidoso de cabelo em pé? Erre o nome ou o cargo dele numa solenidade, na matéria do seu jornal, ou não perceba o quanto ele está elegante naquele dia.
O dissimulado fica com cara de bonzinho e de seu amigo, mas por trás lhe detona pra Deus e o mundo e, se não houver nada que possa ser dito contra você, ele ainda inventa.
Essas são apenas algumas situações consideradas “rotineiras” na nossa sociedade e que boa parte das pessoas acha “normal”, mas que na verdade são doenças morais que carregamos conosco e que envenenam a nossa vida.
É principalmente na convivência que o orgulho deixa mais estragos.
Ao invés de união, gera discórdia, intrigas, lutas por poder. Duelos por pontos de vista, supremacia de quereres.
“Qual a maior chaga moral da humanidade? O egoísmo e tudo aquilo que advém dele.” (LE)
Pois é. O orgulho pode acabar com as melhores propostas de ação em favor do próximo. Por isso, um sábio da antiguidade já dizia: “conhece-te a ti mesmo”. Sem autoconhecimento e coragem para encarar a nossa verdade e tratá-la continuaremos posando de vítimas e de bons moços, quando por dentro estaremos como lobos e sepulcros caiados.
Quem é bom e humilde verdadeiramente, nem tem noção do que é. Não precisa mostrar nem provar nada pra ninguém, não depende da aprovação dos outros para definir os rumos de sua vida.
Por isso, encerro esse post relembrando a colocação feita por alguém que tinha tudo para ser pedante, arrogante, orgulhoso e vaidoso (porque Ele era O CARA!!) e foi a pessoa mais humilde e consciente do que era e do seu papel nesse mundo. Um tal de Jesus dizia o seguinte:
“Bem aventurados os que são puros de coração, pois verão a Deus”.
“Bem aventurados os que são misericordiosos, porque eles próprio alcançarão misericórdia.”

Boa semana.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Tem gente que morreu e não sabe ...

Oi gente!!!
E ai, como foram de feriado?

O meu foi tranquilo. Trabalhando, trabalhando, trabalhando...
E se teve uma coisa que eu visitei hoje foi cemitério. Pense?!
Acho interessante esse "Dia de Finados". Apesar de achar que para lembrar de quem gosto e já voltou pra casa lá de cima, não necessite de um dia específico. 

Mas hoje eu refletia que sorte tem quem "morre de verdade".
Porque tem gente que "morre pela metade", ou seja, tá vivo na carne mas morto por dentro, no sentimento, na emoção. Nossa, quantos "mortos vivos" andam pela rua, cruzam o nosso caminho ou você conhece? Pessoas que simplesmente desistiram da vida, de lutar, de amar, de ser feliz. Quanto sofrimento, meu Deus.

Como é ruim estar morto apesar de andando e respirando. Porque para quem perdeu a alegria de viver estar respirando é pior do que a morte propriamente dita. Afinal, ela gostaria de nem ser, nada fazer, nada ouvir, nada produzir e é obrigada a se movimentar e conviver.

Tem gente que deixa de viver por uma decepção muito forte, por guardar uma mágoa profunda dentro de si, seja em relação a alguém ou a algo que a vida não lhe concedeu como ela queria.

Há também pessoas que deixam de viver simplesmente porque resolveram desistir de si mesmas, dos seus sonhos, daquilo que lhes era mais caro. 

Tem gente que morre todo dia por se acomodar em situações que lhe angustiam. Por não terem a coragem de mudar ou de "virar a mesa" vão minando todos os dias as suas energias por permanecerem como estão.

Outros morrem por se acomodarem em relacionamentos que não mais os alegram ou vitalizam e, algumas vezes, maltratam. Ficam num processo de angústia, infelizes, tristes, mas não tomam a decisão de buscar algo melhor que lhes traga plenitude, satisfação, prazer, serenidade.

Ou seja, a gente morre toda vez que desiste da determinação de ser feliz, de amar, sempre que paramos de acreditar nos nossos sonhos, de mentalizar o sucesso, o bem e a alegria na nossa vida; quando nos deixamos levar pelo pessimismo, pelo azedume, pela negação das nossas reais necessidades pessoais e emocionais.

Por isso, eu disse no início do texto que feliz é quem "morre de morte morrida". 
O desafio é vencermos nossos "demônios" e mostrar pra eles que nós somos e podemos ser felizes apesar deles!! É a gente, literalmente, acreditar em nós e no amanhã que pode ser construído pelos nossos atos e pensamentos.

Portanto, no dia dos "mortos" (que pra mim estão muito mais vivos do que a gente!!!!) pensemos na vida e busquemos fazer dela algo que valha, realmente, a pena ser vivida.

Bjs no coração.
Xanda

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Uma estrela verde para a sua semana...

Oi pessoal!!
Como estão vocês?
Semana já em pleno andamento e a gente naqueles desafios que são inerentes ao nosso dia a dia.

Em nossa última conversa falei sobre as dores íntimas que carregamos e das quais fugimos, mais conhecidas por infortúnios ocultos. 

Hoje eu queria falar de esperança.
Esperança é algo tão imprescindível ao ser humano, quanto o ar que ele precisa para viver. É a esperança acompanhada da fé, ou seja, da certeza de se alcançar algo ou atingir um objetivo, que nos faz levantar da cama todos os dias.

Porque se você não tiver esperança de que as coisas podem ser melhores amanhã, de que adianta encarar mais um dia de vida, principalmente quando estás passando por períodos turbulentos, momentos tempestuosos na tua existência? Apenas para viver um dia após o outro?! Para sofrer? Onde estaria Aquele que dizem que é a mais plena sabedoria e bondade? Ou seria ele, então, um Ser carrasco?

Não acredito nesse tipo de Deus. Deus da guerra, Deus do castigo. 
Creio sim, num Deus imensamente Pai, no sentido mais lindo que essa palavra possa ter. Entendo que a vida é a construção daquilo que fazemos no nosso dia a dia e que ela apenas reflete e nos devolve aquilo que nós projetamos nela. E Ele, com a paciência que só um pai sabe ter, mantêm acesa a esperança de que nós, seus filhos, possamos finalmente aprender as lições necessárias para vivermos em paz e com alegria.

As pessoas que não possuem a chama verde da esperança alimentando o seu coração, mesmo que timidamente, não conseguem caminhar. Param no meio do caminho e só fazem esperar a morte chegar. Se acomodam na mesmice, na covardia de viver, no desalento, no desânimo. Adquirem medo de tudo e de todos. Se alimentam do negativismo, do pessimismo.

Por isso, a esperança se torna fundamental na nossa vida. Precisamos acreditar que as coisas vão mudar, mas saber em que bases estamos alicerçando a nossa crença. Se na segurança das reflexões sadias e inteligentes que nos levam a sermos agentes construtivos para que as coisas aconteçam, ou se na ilusão de que Alguém lá em cima vai resolver tudo por nós, bastando que nós barganhemos com ele, seja pelo pagamento de um dízimo, pela frequência assídua a uma campanha do quilo ou por ostentar um rótulo religioso. 

A esperança e a fé alicerçadas na "barganha" são tão voláteis quanto as areias das dunas. Basta soprar o vento forte para que elas sejam desmontadas e levadas para outro lugar. Porém, quando elas se baseiam na rocha sólida da certeza refletida, pensada, raciocinada, não tem ventania que a desmonte. Elas são como o bambu que se dobra sob a força dos ventos mas não se quebra, voltando ao seu normal assim que a calmaria toma conta de novo da natureza.

Por isso, se uma ventania passa nesse momento da sua vida, acenda dentro de você a luzinha verde da esperança e tenha a certeza de que não estás só em nenhum momento da tua caminhada. Há alguém que está olhando por ti e só esperando o momento certo pra te dizer: "agora você conseguiu!! Te alegra, pois nunca estivesses esquecido".
Um bj no coração e boa semana,
Xanda


A ESTRELA VERDE


Era um vez, milhões e milhões de estrelas no céu. 
Havia estrelas de todas as cores: brancas, lilases, prateadas, douradas, vermelhas e azuis. Um dia, elas procuraram o Senhor Deus Todo-Poderoso, o Senhor Deus do Universo e disseram-lhe: `Senhor Deus, gostaríamos de viver na Terra, entre os homens...' "Assim será feito" - respondeu Deus - "conservarei todas vocês pequeninas como são vistas e podem descer até a Terra." 

Conta-se que naquela noite houve a mais linda das chuvas de estrelas. Algumas aninharam-se nas torres das igrejas, outras foram brincar e correr com os vaga-lumes dos campos, outras misturaram-se aos brinquedos das crianças e a Terra ficou maravilhosamente iluminada.

Passado algum tempo porém, as estrelas resolveram abandonar os homens e voltar para ao céu, deixando a Terra outra vez escura e triste. "Por que voltaram?" perguntou Deus à medida em que chegavam novamente ao céu. 
"Senhor, não nos foi possível permanecer na Terra; lá existe muita desgraça, muita fome, muita violência, muita injustiça, muita maldade, muita doença." 
E o Senhor lhes disse: "Claro, o lugar real de vocês é aqui no céu, estamos no lugar da perfeição, no lugar onde tudo é imutável, onde nada perece." 

Depois de chegadas todas as estrelas e conferindo-lhes o número, Deus tornou a falar: "Mas está faltando uma estrela... Perdeu-se pelo caminho?" 
Um anjo, que estava perto, replicou: "Não, Senhor, uma estrela resolveu ficar entre os homens. Ela descobriu que o seu lugar é exatamente onde existe imperfeição, onde há limites, onde as coisas não vão bem." 

"Mas que estrela é essa?" - voltou Deus a perguntar. 
"Por coincidência, Senhor, é a única estrela dessa cor." "E qual a cor dessa estrela?"- insistiu Deus. E o anjo disse: "A estrela é verde, Senhor, a estrela verde do sentimento da esperança." 

Quando então olharam a Terra, a estrela já não estava só. 
A Terra estava novamente iluminada, porque havia uma estrela verde no coração de cada pessoa". 

domingo, 9 de outubro de 2011

Infortúnios ocultos: quem não os tem?

Oi gente!
Semana começa com lua crescente que ficará cheia na quarta-feira para deleite dos "lunáticos" de plantão, um deles, esta que vos escreve. E essas noites lindas que estão fazendo me levam a pensar, e muito!!

Hoje eu queria falar sobre dor.

É, tem dor de todo jeito. Tem dor de dente, dor na lombar, dor de cabeça, dor nas juntas, dor no joelho, dor de barriga. Essas são até melhores porque com remédio se resolve. Têm tratamento na medicina do mundo.

Outras dores são mais cabulosas para se livrar, porque não tem remédio que dê jeito!!
A tal da dor de cotovelo?!! Essa é danada. Dói pra caramba. Pense num negócio pra incomodar?!

Tem a tal da dor de consciência, outra dor sem noção!!! Aperreia o cristão até o fim, ou seja, até ele resolver a situação seja com um pedido de desculpas, de perdão, ou refazendo as coisas de forma mais correta.

Tem também a tal da dor da solidão, que dói lá dentro...

Mas tem uma dor que "é pra torar o cristão em dois". É a tal da dor moral. São os chamados infortúnios ocultos, dos quais nos fala o evangelho. Aquelas dores que a gente não quer confessar nem pra gente mesmo! São coisas que ficam dentro de nós, que carregamos uma existência inteira com medo de falar, de encarar, de resolver. Algumas vezes com medo da reação das pessoas, se souberem o que se passa no nosso interior. "O que fulano vai pensar??" O que ele vai pensar eu não sei, mas sei o que vai acontecer se a gente não começar, seriamente, a resolver essas questões. 

Muita gente interpreta a passagem dos infortúnios ocultos, apenas como o compromisso de socorrer as dificuldades materiais pelas quais as pessoas passam. Lê-do engano achar que o texto se refere apenas a isso. É fato que existem seres com muitas necessidades materiais na nossa sociedade. Porém, muito maior é a quantidade de gente com escassez de amor, de carinho, de objetivos, de ideais, de auto estima, de fé, de sonhos.

Maiores são as dores íntimas, principalmente relacionadas ao campo afetivo, pois todos somos necessitados de carinho e afeto. A fuga dessas dores nos leva aos "analgésicos e alucinógenos" dos sentimentos, tais como bebidas, drogas, sexo, relacionamento fúteis. Nos jogamos no trabalho, viramos "workaholics", que é a palavra da moda, para fugirmos de nós mesmos através da ocupação de todo nosso dia com coisas "de fora", de forma que não tenhamos que encarar as "coisas de dentro".

E as dores continuam lá. Julgamos as pessoas pelo que elas demostram por fora e não paramos para pensar no que elas estão carregando por dentro, suas frustrações, desilusões, mágoas, medos. Alguns endurecem por causa dessas dores, se tornam amargas, revoltadas e querem descontar no mundo o que lhes passa no íntimo.

As dores da alma são penosas porque só a gente pode resolvê-las. Ninguém mais.
Para essas, não tem remédio, não tem alucinógenos que deem jeito. Só há uma solução: encará-las, senti-las, permitir-se vivenciá-las para poder tratá-las e requalificá-las.

Veja que o diamante para se tornar aquela pedra maravilhosamente linda e brilhante, antes precisou passar pela dor da martelada que retirou dele todo o carvão escuro que lhe revestia. O caroço do milho para virar a belezura e a delícia da pipoca tem que passar pelo fogo quente que o faz estourar quando ele pensa que não vai mais aguentar a pressão. Pronto: deixa de ser algo duro para se transformar em algo macio e alvo.

Assim somos nós, seres humanos em processo de crescimento e evolução.
Passamos pelas provas das marretadas nos nossos orgulhos e vaidades para aprendermos a beleza e o poder da humildade. Somos pressionados pelas angustias, carências e medos até a gente pensar que não vai mais aguentar e ai, pimba!! Eis que a gente começa a resolver essas situações e sai mais forte, mas determinado sobre o que queremos da vida e, claro, mais felizes.

Mas para que isso aconteça precisamos ter coragem e confiança. E, óbvio, mãos amigas que nos socorram quando a nossa escassez intima estiver muito grande, para nos amparar, fortalecer, estimular a prosseguir.

Por isso lhe digo: se você está sofrendo nesse momento ou com alguma dor inconfessável, abra seu coração e bote pra fora. Não tenha medo de sentir, nem de assumir suas dores. Aceite-as, converse com elas, veja o que elas desejam lhe dizer e depois disso: levante, sacuda a poeira e dê a volta por cima!! 

Procure alguém de sua confiança e se abra. Compartilhe com quem sabes que vai poder te ouvir sem julgar, te estender a mão e apoiar (mesmo sem entender nada).

Você consegue!!!!
Porque você é luz e essa luminosidade habita dentro de ti.

Já falei em outra oportunidade que somos como as fases da lua. Pois bem. Essa semana é lua cheia o que significa que tá na hora de "brilhar a nossa luz".

Não se esqueça de que Lá em cima, tem alguém que gosta muito de você!!
Acredite nisso!
Bjs e uma semana iluminada pra ti!!
Xanda

LEMBRE 
(Grupo Semente)

Quando uma tristeza tomar seu coração,
não se desanime e cante uma canção
e lembre que Lá em cima você tem alguém
que te quer muito bem.

Quando uma dorzinha danada de doer,
vir bem lá no fundo e te fizer sofrer
Lembre que lá em cima você tem alguém
que te quer muito bem.

Ponha um sorriso bonito no seu rosto.
Deixe que as lágrimas lavem seu desgosto
E lembre que lá em cima você tem alguém
que te quer muito bem.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

E que seja bem vinda a Primavera!!

Bom dia meu povo!!
Hoje eu nem ia escrever, ainda envolvida com organizações domésticas. Porém, quando eu vi que esta sexta representa o primeiro dia da primavera simplesmente não resisti!


A natureza tem a sua simbologia e sua relação direta com nossa própria vida.
No verão tudo é em grau máximo. Muito sol, calor, cores vivas pra todo lado que se olha. Em nós, isso se reflete na vontade de estar na rua, loucura pra estar em praia, festas, encontrar as pessoas, enfim, parece que os hormônios entram em pandemônio!!


Daí vem o outono. As plantas antes viçosas começam a perder a força, as folhas caem, os galhos secam. Nós começamos a "botar o pé no chão". Alguns a contabilizar perdas e ganhos. Outros a colher e avaliar as boas escolhas que fizeram nesse período. É o tempo de amadurecer os relacionamentos, as amizades, as decisões tomadas. 


Meses depois chega o inverno. Tudo fica cinza, frio, gelado, chuvoso. Os dias ganham outras cores e formas e nós somos forçados a nos "entocar", a nos recolher. Até os animais se recolhem nesse período. Os ursos "hibernam", ou seja, aproveitam o inverno para dormir, descansar, e economizar energia. Para nós é o tempo de "baixar a adrenalina", voltar-se pra dentro, olhar as coisas com mais calma, mais lucidez. Olhar pra si, cuidar de si, diminuir o ritmo.


Mas, passado o inverno a natureza volta a florescer. É a primavera!
O sol volta a brilhar, as folhas voltam a nascer nas árvores, as flores chegam com o seu colorido para iluminar e dar cor à vida. Os nossos olhos se enchem de luz com a volta do azul do céu deixando o dia mágico. E o pôr do sol?! Esse não assusta na primavera, pelo contrário, deixa tudo encantador. As noites são estreladas, enluaradas. Os pássaros voltam a fazer seus ninhos, pois é a época de procriar, de deixar a vida nascer de novo. Novos seres chegam pequenos, miúdos, para depois alegrarem o mundo com o seu cantar. Os lagos, rios e o mar adquirem cores que só eles sabem ter! Nossa, é de encher os olhos!!!


E para nós a primavera significa o florescer de novo. O "sair da toca", o desabrochar. 
É o momento do ano que as esperanças vão se renovando, os sonhos ressurgindo, alguns se materializando. Começamos a ter vontade de ficar mais bonitos, por dentro e por fora, para poder fazer jus à beleza que vem da obra Divina. Um sentimento de amor profundo e de gratidão à energia que a tudo criou brota inevitavelmente do nosso coração pela beleza que passa a nos rodear. E é essa energia que nos faz ter a vontade de criar, de viver, de amar, de descobrir novos caminhos, novos encantos.


É a época de buscar os melhores sentimentos dentro de nós, de rever mágoas, rancores, e começar a exercitar o perdão. Agora é o momento de colocar em prática tudo o que temos aprendido. Basta de tantas palavras! É hora de agir, de colocar em prática a lição que já estudamos inúmeras vezes e, como diz o poeta "já sabemos de cor". 


Isso é a primavera: o renascer do que de melhor existe no mundo e dentro de nós.
Acho que é por isso que Beto Guedes, esse mineiro que adoro, exaltou a entrada do mês de setembro: "quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos. Quero ver brotar o perdão onde a gente plantou..."


Por isso, nesse primeiro dia da primavera, desejo que bons sentimentos e emoções brotem do seu coração fazendo com que sua vida fique mais colorida, alegre, feliz, plena e realizada. 


Se for possível, dê uma paradinha nesta sexta ou nesse final de semana e vá curtir a natureza. Pegue seu marido, esposa, namorado, namorada pela mão e vá passear. Leve os filhos para a praia, vá tomar uma água de coco no calçadão e ver o por do sol no final da tarde, mostrando para eles a beleza da vida. Se você que me ler não desfruta dessa vantagem, não se preocupe. Aquele parque perto da sua casa, é um ótimo local para você correr, brincar, sorrir e dizer pra vida: eu sou feliz porque estou vivo!!


Nada de shoppings. A vida e a beleza está do lado de fora de quatro paredes convidando você a desfrutá-la!


Um bj no coração de todo mundo e um ótimo final de semana.


SOL DE PRIMAVERA 
(Beto Guedes)

Quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos,
Quero ver brotar o perdão onde a gente plantou juntos outra vez.


Já sonhamos juntos semeando as canções no vento
Quero ver crescer nossa voz no que falta sonhar

Já choramos muito, muitos se perderam no caminho
Mesmo assim não custa inventar uma nova canção que venha nos trazer,
Sol de primavera abre as janelas do meu peito
a lição sabemos de cor só nos resta aprender...




segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Você já teve coragem de fazer uma faxina mental?

Olá pessoal!!
A segunda-feira foi ensolarada aqui em Olinda. Um céu lindo!
E eu aproveitei o dia para iniciar uma faxina!
É, isso mesmo. FAXINA!!


Tem diversos tipos de faxina. Tem aquela para limpar a casa, para lavar roupas sujas, para limpar os armários, o guarda roupa, a estante de livros. Materialmente falando o que não falta é coisa para ser faxinada, não?! A gente tem que tirar o que tá sujo, ver o que ainda tem utilidade ou não e ai botar pra lavar, secar, depois organizar e guardar. E haja água e sabão, esfregão e disposição para colocar tudo em ordem. E dependendo do tamanho da bagunça (e a daqui de casa tá grande) ainda tem que ser "por partes". kkkkkk


Pois é. Mas, também há outros tipos de faxina que a gente precisa fazer e que se assemelham as que realizamos na nossa casa "física". São as tais das "faxinas internas". Essas são mais "cabulosas" (que em nordestinês significa chatas, trabalhosas) porque têm que ser feitas em locais e compartimentos internos nossos que estão mais guardados e escondidos do que o tesouro de Seráfia!!!


Essas faxinas internas têm o objetivo de retirar os lixos que andamos guardando dentro de nós, nos armários secretos, para não ter que vê-los. São aqueles sentimentos diversos, como medos, mágoas, raivas, frustrações, fobias, melindres, baixa auto estima, além das emoções mal resolvidas. A gente vai pegando esses troços que nos incomodam e vamos jogando de todo jeito dentro de um armário mental, sem arrumar ou dar solução. Como assim?! Vou explicar.


Chega um sentimento de mágoa. Daí eu penso: "Ai, mas ele doi muito e eu não quero senti-lo, vivê-lo, ver o que ele tá querendo me dizer sobre mim mesma". O que faço? Pego a tal da mágoa e empurro a dita cuja para dentro do armário secreto. Pronto, penso eu, me livrei dela.


Durante um tempo a gente até consegue esconder a danação. Porém, tudo o que é guardado e não tratado se acumula e vira bagunça. E chega uns períodos da nossa vida que o armário está tão cheio de "porcaria" que a porta não aguenta mais e abre jogando para fora todo a tralha que tava dentro do local. E aí, não tem jeito. Tem que encarar de frente a danação que a gente mesmo fez e tratar de arrumar.


Como isso aparece? Uns sentimentos básicos de melancolia, medos repentinos, depressões, coisinhas simples assim. E aí é que o bicho pega e a porca torce o rabo!!! Porque, meu amigo, minha amiga, faxina aqui é uma bronca! Pense num negócio complicado, dolorido, trabalhoso, mas necessário?!!


Quando você começa a fuçar dentro da bagunça é um tal de aperreio, angustia, precundia, dor de estômago, ansiedade, aff... Um inferno!


Mas tem que encarar a tarefa. Pior é continuar mantendo esse lixo mental dentro da gente,  atrapalhando a vida, nos deixando infelizes. Por mais dolorido que seja, por mais incômodo, o resultado final dessa "faxina interna" compensa todo o período levado para realizá-la.


Pois essa semana eu desejo que você tenha coragem de mexer naquilo que está lhe "atravancando" a vida há muito tempo e que, até o momento, não tivesses a coragem de olhar, encarar e resolver. Lhe desejo isso porque sei que, passado o desassossego, o que vai sobrar é uma pessoa mais feliz e realizada.


Portanto, uma ótima faxina para você, tá?!
Boa semana.
Xanda


segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Que tipo de condicionamento mental você alimenta?

Olá, bom dia!
Chegamos a mais uma segunda-feira, isso significa início de semana e de novos desafios e aprendizados.
Que bom. Novas oportunidades chegam para aqueles que estiverem abertos a elas.
E começar a semana com lua cheia, ui!!! Ai é melhor ainda!! Significa começar a semana com todo o gás e energia. ;)

Hoje eu queria compartilhar com vocês uma reflexão que vem me acompanhando nos últimos dias, sobre a questão do condicionamento mental.
Condicionamento é tudo aquilo que você faz de forma repetitiva sem perceber. Tem gente que é condicionado a fazer o mesmo caminho de casa para o trabalho, do trabalho para casa, sempre. Se mandar ele ir por outro local, ele não vai porque não sabe. O condicionamento o faz entrar num "piloto automático" onde ligou a chave do carro, a mente o leva direto para o caminho já conhecido.

No que se refere a nossas atitudes diante da vida e sobre a forma como nos vemos, o condicionamento se dá pelas respostas que temos aos diversos estímulos que nos chegam seja de fora, seja até de nós mesmos. Por exemplo: como você reaje quando alguém lhe critica? Qual a sua reação diante de uma dificuldade? Pensar com calma e buscar a saída, ou entrar em pânico e já se sentir um derrotado?

O condicionamento mental é algo muito interessante e, ao mesmo tempo, muito sério, pois ele é o grande determinante das nossas vitórias ou fracassos na vida. Explico.

Teu condicionamento mental faz com que você reaja sempre da mesma forma a determinadas situações que para ti são incômodas ou mal resolvidas. Como não fomos educados para sermos responsáveis pelos nossos atos, nem para aprendermos a olhar nossos sentimentos e emoções, simplesmente não percebemos que somos "negativados" em muitas de nossas iniciativas simplemente pela forma como pensamos o mundo que nos cerca e o que somos.

Isso se dá pela forma pessimista como pensamos as coisas externas e, pior ainda, como nos vemos. A ausência de auto amor, de autoestima, de confiança nas suas potencialidades, de fé em si e na energia cósmica que rege a nossa vida. Pessoas que só pensam o mal de si e dos outros não têm como ser tranquilas e felizes.

Existem pessoas que só vêem "sacanagem" ao seu entorno. Para elas, todos querem lhe passar a perna, lhe derrubar, lhe tirar algo. Tá certo que existe gente sacana mesmo no mundo, porém alimentar 24h por dia esse tipo de pensamento significa que alguma coisa está errada com você. O problema não são os outros. É a sua mente que está doente, condicionada numa vibração inferior.

É o mesmo comportamento de umas pessoas "neuróticas" com violência. Tem gente que alimenta-se mentalmente 24h dessa questão, seja pelos programas que assiste, pelas conversas que alimenta, ou pelas cenas mentais que fica criando constantemente. Algumas chegam ao cúmulo de dizer: "eu deixo uma carteira e um celular reserva no carro dar ao assaltante". Ora! No momento em que eu mentalizo isso, que eu digo e faço isso, eu estou dizendo para a energia universal que me cerca: "tô aqui a disposição do ladrão. Pode mandar ele vir". Porque você não chama logo ele para tomar uma cerveja e mata uma galinha gorda também para vocês trocarem umas figurinhas?!! Muito mais negócio!

Outro problema do condicionamento mental negativo é com relação a nós, a forma como nos vemos. Somos espíritos que estão a tanto tempo "pisando na bola" que alguns de nós chegaram ao ponto de dizer pra si: eu não mereço ser feliz. E internamente, no fundo da nossa mente, a gente não acredita mesmo que seja merecedor de ter uma vida feliz, encontrar uma pessoa bacana para compartilhar a sua vida, ter metas e alcançá-las. 

Com isso nos acomodamos em empregos que não nos dão prazer, em relacionamentos medíocres, abrimos mão de sonhos, simplesmente pelo medo de tentar fazer diferente. Porque nossa mente nos diz que "não somos capazes", que temos que dar graças a Deus pelo que temos (mesmo que nos traga dor, sofrimento e angústia) e nos acomodar naquilo. Mas, ai vem a vida e dá-lhe uma rasteira, tira-lhe sua pseudo segurança e lhe força a olhar pra dentro de si e mudar sua forma de pensar, de agir e de viver. Isso, quando você não adoece da doença da moda, chamada "depressão".

Ainda bem que existem pessoas que usam o condicionamento mental de forma positiva. Elas usam o poder de sua mente para criar o mundo e a vida que elas desejam para si. Acreditam em si, confiam nos seus sentimentos, olham a vida e as coisas com otimismo com alegria. Não são alienadas achando que "vivem no mundo de Polyanna" e que não existem as coisas ruins no seu entorno. Porém, não alimentam dentro de si negativismo, inveja, nem vivem com medo da vida. Olham tudo que lhes acontece como um  momento de aprendizado, e não de derrotismo. Usam os obstáculos como "trampolins" para crescer e não como "muro para as lamentações".
A medicina do mundo já comprova a importância do "bem pensar" para que possamos ter saúde física e mental e para que a nossa vida mude de rumo.

Portanto, nessa semana que tal você aproveitar as belas noites de lua que teremos, parar um pouquinho contemplando-a e analisar: que tipo de pensamentos estou criando para a minha vida? Estou me amando ou me desvalorizando? Estou me ajudando a crescer e ser feliz ou me boicotando? Estou me aceitando ou me rejeitando?

Boas descobertas e uma semana iluminada para você.
Xanda

A BATALHA DOS LOBOS
Uma noite, um velho índio falou ao seu neto sobre o combate que acontece dentro das pessoas. Disse-lhe:
- A batalha é entre os dois lobos que vivem dentro de todos nós.
Um é Mau: é a raiva, inveja, ciúme, tristeza, desgosto, cobiça, arrogância, pena de si mesmo, culpa, ressentimento, inferioridade, orgulho falso, superioridade e ego.
O outro é Bom: é alegria, fraternidade, paz, esperança, serenidade, humildade, bondade, benevolência, empatia, generosidade, verdade, compaixão e fé.
O neto pensou nessa luta e perguntou ao avô: - "E qual é o lobo que vence? "
O velho índio respondeu: - "Aquele que você alimenta!"