quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

É tempo de recomeçar ...

Oi pessoal!
E estamos chegando ao final de 2012 e início de um novo ano: 2013!
Ou seja é tempo de recomeçar.

Tempo de renovar esperanças.
Tempo de refazer os caminhos.
Tempo de colocar em prática o aprendizado do ano anterior.
Tempo de colher ou de plantar.

É tempo de reciclar.
De deixar de lado os sentimentos de desamor que alimentamos.
De abandonar os sentimentos de ódio e raiva que só fizeram nos destruir e maltratar.
De deixar para trás amores que não deram certo, amizades que não eram tão amigas assim.
De abandonar os lamentos e apegos que só nos atrasaram o caminhar.

É tempo de renovar.
A fé em dias melhores.
A confiança em nós próprios.
A alegria de viver.
O prazer de conviver.

É tempo de se abrir.
Para deixar o amor chegar.
Para que o novo possa entrar.
Para que o perdão faça parte do nosso viver.

Sim, é tempo de repensar.
Os caminhos escolhidos.
De fazer melhores escolhas.
De assumir as rédeas da sua vida e deixar de ser vítima dos outros ou do acaso.
De mendigar o afeto de quem não nos deseja mais.

É tempo de entender.
Que lamento só incomoda.
Que rancor só empobrece.
Que mágoa só adoece.

É tempo de acreditar.
Que nós podemos mudar.
Que nós podemos mais acertar do que errar.
De que está na hora de recomeçar.

Enfim,
no novo ano que chega que a responsabilidade sobre a nossa vida possa ser mais clara para nós.
Que a consciência sobre o nosso papel no mundo em que vivemos possa se tornar mais consistente. 
Que não percamos mais tempo com coisas que não nos fazem bem e busquemos olhar pra frente.
Que entendamos que somos Luz e que podemos ser sim, operários do bem onde estivermos.

É isso o que desejo à você no ano que chega.
Que venha 2013!!
E que não tenhamos medo do amanhã, pois lá, tudo vai mudar.
Pra encerrar deixo a bela letra da música que inspirou essa mensagem.
Bjs
Xanda

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Te Vi ...


Te vi lindo
Majestoso mesmo na simplicidade
E meu coração que já estava adormecido
Reaqueceu-se de saudade.

Quão difícil é ver-te e não te tocar
Quão difícil é ver-te e não poder te acariciar
Quão difícil é ouvir-te e não poder te falar
Do carinho que me toma simplesmente ao te contemplar.

Te vi belo e triste
E meu coração desejou te abraçar
Aninhar tua cabeça em meu peito
E ali simplesmente ficar.

Forte e frágil
Belo e misterioso
Intrigante e desafiante
Assim és tu, para mim simplesmente encantador.

A Dor do Guerreiro


Vejo-te ó querido guerreiro
Vencido pela dor do desamor
Vejo-te perdido e sozinho
Ansiando um por uma migalha de amor

Tua solidão toca-me fundo
Sinto-a como minha
Pois também conheço a dor da solidão
Que aparece como erva daninha.

Mas para jardins dantes vistosos
E que agora se mostram secos
Apenas um novo semear é o remédio.

Por isso prepara novamente a terra do coração
Abre espaço para nova semeadura
E quem sabe novas flores perfumadas de amor surgirão.

Contemplando ...


Contemplo a noite
Da minha varanda vejo o céu
Limpo, sem nuvens, apenas estrelado
Onde uma lua crescente reina majestosa

Mas as estrelas não se deixam intimidar
E reluzem presentes ao lado dela
Três Marias, Marte e Júpiter
Lá estão a brilhar

A lua há alguns meses não anda mais sozinha
Alguém a ela se aninha
Acompanhando-a sem a largar

Mostrando que mesmo as estrelas
Diante da grandiosidade do céu
De tempos em tempos precisam se acompanhar.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Tua foto ...

Vejo tua foto
sinto saudades de ti.
Anseio por tocar-te
Anseio por te sentir.

Vejo tua foto
ela me fala de tua ausência
dessa ausência tão presença
que habita dentro de mim.

Vejo tua foto
e sinto saudade dos teus olhos,
sinto saudade de tua voz
sinto falta de ti.

Quando te verei?
Quando te escutarei?
Quando poderei contemplar teu olhar?
Quando virás apenas para me alegrar?

(23.12.12)

domingo, 23 de dezembro de 2012

Feliz Natal para você!

E aproxima-se mais um aniversário daquele que mudou os rumos desse planeta.
Incompreendido em sua época, não se faz diferente ainda nos dias de hoje.
Apesar de todos os avanços tecnológicos, o homem não consegue fazer "seu HD interno" modernizar-se no mesmo ritmo de suas criações materiais e ainda não consegue entender que Ele é diferente.

Ele não veio pra dividir, mas pra somar.
Ele não veio para agredir, mas para acolher.
Ele não veio para julgar, mas sim para amar.
Ele não veio para dar poder, mas para empoderar.
Ele não veio para matar, mas para dar vida.

Mais de dois mil anos depois de Sua passagem os homens ainda matam em Seu nome, tornam-se sectários por Seu nome, agridem-se pelo poder que atribuem ao Seu Nome. Ainda brigam com irmãos da mesma doutrina por "pontos de vista" em defesa do Seu nome. 

Ele não veio para nada disso.
Ele veio para que as pessoas se unissem em torno de Seu nome.
Ele veio para dar esperança a quem chorava, a quem tinha fome de justiça, de saber e do corpo.
Ele veio para acolher os deserdados da sorte, levantando-os e encorajando-os a prosseguir.
Ele veio para dizer aos envolvidos nos sentimentos de culpa e remorso que valia a pena recomeçar.
Ele veio para servir de farol e guia para que pudéssemos viver mais felizes.

Este é o Ser que se fez homem mais uma vez para nos deixar exemplos práticos de amor e de vida. Sei que ainda vai levar um tempo para a gente aprender realmente e introjetar, na prática, seus ensinos. Mas sei também que mesmo assim Ele está conosco e que nesse natal basta que abramos as portas dos nossos corações e das nossas casas para que ele possa entrar e trazer muita luz para nossa vida.

Por isso, desejo à você que lê essas mal traçadas linhas que Ele se faça presente na sua vida não apenas nesse festejo, mas em todos os dias de sua existência.
À você e à sua família um Natal com paz, luz, alegrias e muito amor.
Alexandra




sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

E que seja bem vindo o novo mundo!

Olá!!
E hoje é sexta-feira. E ao contrário do que normalmente se dá, o dia de hoje não tem cara de "fim de semana", mas sim, de "começo de uma nova etapa".

Pois é, hoje, 21 de dezembro de 2012, significa o começo. O começo de uma nova era para nosso planetinha Terra. O início de uma nova jornada para todos nós, espíritos, que aqui vivemos e habitamos.

Impressionante como o inconsciente coletivo ainda é movido pela "catástrofe". 
"O Mundo vai acabar" disseram os mais céticos. 
"Não saia de casa porque tudo pode acontecer nesse dia", afirmaram os mais místicos.

Respeitando a todos e todas que assim pensaram e ainda pensam (pois hoje tem gente, realmente que não vai botar o pé para fora de casa), convido-nos a pensar na incoerência que seria o Criador se depois de todo o trabalho que ele teve para "montar esse planeta" Ele resolvesse, simplesmente por um capricho, "desmontar tudo" assim do nada. Isso, para mim, não seria Deus. Porque ele seria um ser mórbido, egoísta, que só atendia aos seus caprichos pessoais e não, à necessidade de evolução de seus filhos que somos nós.

De fato, hoje acaba um mundo, termina uma era.

Estamos mudando de faixa, de padrão vibracional. Estamos adentrando na tão falada "Era de Aquário", um período a que o planeta estava destinado desde sua formação.

Como todo ser vivo, a Terra de tempos em tempos passa por transições. São mudanças climáticas, geológicas e ambientais visando adaptar-se às demandas que são necessárias para a existência dos seres que nela habitam. Isso é ciência pura. Nada de religiosismo aqui. Os cientistas já comprovam isso. Por isso, acontecem os tsunamis, terremotos, maremotos, tufões, ciclones, e toda sorte de cataclismos fazendo com que os ambientes se acomodem, se transformem e se readequem a nova ordem das coisas.

Entretanto, dessa vez, esse período de transição também é acompanhado de um momento de transformação dos seres que aqui estão habitando que somos NÓS. Costumo brincar e dizer que, dessa vez, "os dinossauros somos nós", por isso essas coisas se tornam mais presentes e marcantes.

Hoje, nessa passagem de energia do planeta, vamos finalmente adentrar com tudo nesse período de mudanças. A era que chega traz consigo a esperança de um mundo melhor, onde as pessoas vão ser levadas, obrigatoriamente, a aprender o que realmente é viver, a aprender a dar valor ao que realmente é importante na vida.

É um período que será marcado por conquistas. Avanços na medicina com a descoberta da cura de diversas doenças, melhoria da qualidade de vida das pessoas menos favorecidas, mais preocupação com a formação intelectual e moral dos indivíduos, mudanças de padrões éticos e morais nas sociedades vigentes.

É uma era de renovação!!!!

De renovação de atitudes, de mentalidades. Todos serão levados a mudarem sua maneira de pensar, de se comportar perante o mundo, de agir. E quem assim não quiser, será levado pela corrente porque nessa nova era não há espaço para quem não deseja compromisso com uma palavra: MUDANÇA ÍNTIMA.

Por isso, nesta sexta-feira, meu desejo sincero é de que, de fato, um mundo acabe.

Um mundo egoísta que deixa centenas de milhares de pessoas morrerem de fome, de sede, de doenças, de inanição.

Um mundo violento onde se acha que ser forte é empunhar uma arma para atacar, onde guerras são motivadas por orgulhos imbecis, vaidades assoberbadas, personalismos atrozes, que dizimam milhares de vidas inocentes apenas pelo prazer de matar.

Um mundo cruel que determina quem deve ou não receber benefícios pelo grau de favor que pode ser retribuído, como moeda de troca.

Um mundo onde políticos veem a ciência do bem viver apenas como um instrumento de vaidade e poder, deixando milhares de pessoas necessitando de tudo, inclusive do mais básico, que é educação, saúde e condições dignas de sobrevivência.

Um mundo onde as pessoas se separam por causa dos rótulos religiosos e se matam, ao invés de se unirem pelos ideias de fé.

Espero sinceramente que esse mundo fútil em que as pessoas dão mais valor a status pessoais, ao dinheiro, do que ao que possuem por dentro; onde os seres são avaliados pelo que aparentam ou ostentam por fora, e não pelo que possuem como valores internos, deixe de existir.

Conto com o fim de um mundo onde crianças são abandonadas pela cor da pele que possuem, por não terem olhos azuis, devido ao egoismo humano que ainda dá mais valor "ao sangue do meu sangue", do que ao "amor que vem do coração".

Por isso, meus queridos, hoje pra mim não é dia de medo ou desespero.

A palavra de ordem que inicia essa sexta-feira é ESPERANÇA.
Uma nova era nos aguarda.
Que cada um de nós possa se fazer "digno e escolhido" de vivê-la em sua plenitude.
Um ótimo dia para você.
E que seja bem vinda, a ERA DE AQUÁRIO!!

A NOVA ERA
"Um novo tempo se aproxima,
a aurora do novo mundo já se irradia.
É hora de se vestir de alegria 
É hora de alegrar o coração.

Que venha a nova era
que venha o novo mundo
Que nele a vida seja plena
que nele o mundo seja único.

Era de luz, era de amor
Era de mudanças, era de esplendor.
Vem vida nova, derrama-te em plenitude.

Vem vida nova e se instala trazendo vigor,
traz a paz, a mudança, o crescimento
faz com que, finalmente, possamos entender o valor do Amor".

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

A presença da ausência 2...

Quando a ausência se faz presente
ela deixa de ser ausência e passa a ser vivência.
Ela deixa de seu um vácuo para ser preenchida por um desejo
ela passa a fazer parte de mim, mesmo se eu não te vejo.

Daí não estás mais ausente,
estás presente na tua ausência que me prende
estás perto mesmo estando ausente
dentro do meu peito que, mesmo de longe, te sente.

Coisa mais engraçada é isso.
Quando pensamos que vamos esquecer uma pessoa
ela volta a se fazer presente, mesmo estando longe.
Porque a sua ausência nos faz lembrar sempre
do amor que temos e que não desaparece de repente,
apenas porque ela está ausente.

sábado, 15 de dezembro de 2012

Das coisas do céu e da terra ...

Fico a olhar a vida
sem as vezes enxergá-la.
Parece que contemplo um filme
que pelos meus olhos passa.

Coisas do mundo não conheço
por algumas, nem mesmo tenho apreço.
Gosto mesmo é de olhar as estrelas
num encanto que não tem preço.

Quem só olha as coisas da terra
e não ganha tempo olhando as belezas do céu
perde tempo e perde vida
morre antes de solidão e ao léu.

Eu mesmo estando sozinha, nunca estou só
tenho minhas amigas estrelas por companhia
e quando o céu quer encher-me de magia
estampa a lua cheia no seu manto de ébano.


sábado, 8 de dezembro de 2012

Despedindo-me da lua ...

Vejo-te nos últimos lampejos noturnos.
Contemplo-te na imensidão do ébano.
Já é chegada a hora da despedida,
te vais para os infinitos do céu.

Na tua trajetória lunar
assemelha-te à vida humana.
Uma hora escura, sem brilho, contemplas o mundo escondida.
Noutra enchendo-se de luz, de vida, resplandeces em plenitude 
como um farol a iluminar a noite dos amantes e dos viajantes.
Para logo em seguida voltares a outro tempo minguante e de asserenamento.

Eis os ciclos da vida humana
a que contemplas há longas eras
da qual és testemunha silenciosa
companheira permanente e constante.

No teu singrar pelos mares da noite
viajas pelo mundo dos homens, tal qual guia seguro
mostrando que mesmo depois da noite mais constante
és sinal de porto seguro.

Encho-me de gratidão à tua presença,
tu que me acompanhas em muitas vidas
tu que já iluminastes minhas noites insones
e me acompanhastes naquelas de alegria.

Vai amiga lua cumprir o teu destino,
viaja, vai ao longe, renova-te.
Volta em breve amiga querida,
enchendo de luz os nossos caminhos.

Sem sentido ...


As coisas ficam sem sentido,
quando não te vejo.
Tudo fica cinza, sem cor
se eu não te beijo.

Tudo fica sem sentido
quando não vislumbro os teus olhos
quando não observo o teu sorriso
quando não te encontro.

Tudo fica sem sentido
se não ouço o timbre da tua voz,
a carícia da tua fala
a magia do teu silêncio.

O que fazer então
se para que as coisas tenham sentido
eu precise ter sentir, te tocar,
mas não posso a ti chegar?


sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

O Natal é de Jesus ou de Papai Noel?!

E chegamos ao mês de dezembro!!
Como costuma se dizer: acabou o ano.

O mês traz uma aura especial, uma energia diferente. 
É um mês de confraternizar com aqueles com quem passamos o ano em atividades mil, com quem compartilhamos as boas coisas e também, as não tão boas assim.

Dezembro é um mês que deveria trazer serenidade pra todos, calma, tranquilidade, pois é o aniversário de uma figura "ímpar" que deixou pros homens da Terra um exemplo de muito Amor. 

Entretanto, não é isso que acontece.
As pessoas ficam "alucinadas" nesse período pelos motivos mais diversos.
Para quem é consumista, o motivo de aflição é ter que fazer todas as compras necessárias para "os festejos de Natal e Ano Novo". Afinal, não se pode estar na ceia ou nos festejos de ano novo com roupa velha, casa desarrumada, móveis do ano anterior. Não, tudo tem que ser novo!!!
Mas essas pessoas esquecem que, o que realmente deveria ser novo, era a forma da pessoa ser e viver no mundo.

Para quem gosta de uma boa farra, dezembro significa "BL" garantida, ou seja, bocas livres, mesmo que você não conheça nem tenha nenhuma afinidade com o anfitrião da festa. O importante é ter onde beber de graça, encher o copo e ter o que contar no outro dia (quando chega em casa vivo, claro).

Pois é, dezembro virou o mês de muita coisa, menos do que realmente importa: um período pra gente refletir na mensagem daquele que disse que "Ele era o caminho à verdade e à vida".

Nas escolas, nas creches, nas residências, as crianças de hoje estão aprendendo que dezembro é o mês do Natal que significa "mês do Papai Noel" que, naturalmente, significa "mês de ganhar presentes". Dezembro deixou de ser o mês do nascimento de Jesus. 

Mas, também, pudera!!
Afinal o Natal com Jesus é muito chato, não?!
Natal com Jesus significa doar e não ganhar. Representa ser e não ter. Significa ainda doar-se pelo próximo e não, abusar ou usufruir do que o próximo tem.
Natal com Jesus nos convida à reflexão, a repensar o que fizemos ao longo do ano, a verificar as conquistas alcançadas e, principalmente, identificar aquilo em que precisamos melhorar. A sermos verdadeiros conosco e com quem nos cerca.

Já Natal com Papai Noel é muito melhor!!
O negócio de Papai Noel é: gaste muito meu filho, fique bem endividado pra começar o ano embriagado para esquecer o valor da fatura do cartão de crédito que vai chegar com o Ano Novo!!!
Natal com Papai Noel significa ansiedade por comprar, angustia por não ter, tristeza por não alcançar.
Natal com Papai Noel representa alucinar-se de si mesmo e não parar para se observar e assim, entrar no novo ano como se terminou o velho ano: na mesma!!!
Natal com Papai Noel significa aturdi-se com alucinógenos diversos para calar a voz inteiro que teima em dizer pra gente que "alguma coisa dentro de nós não tá bem". Que nada!!! Esquece isso, bebe, cheira, se embriaga, se joga que o negócio é se alienar!!!

Natal com Jesus significa equilíbrio, serenidade.
Natal com Papai Noel significa entorpecimento e alucinação.
No natal com Jesus não importa se você ganha ou não presente, mas sim, se você está com as pessoas que ama reunidas, permutando carinho, afeto e amizade.

No natal com Papai Noel se você não dá nada ao outro imediatamente é mal visto, as pessoas chegam até a ficar magoadas com você. Não importa se estás sem condições de gastar com presentes para 20 pessoas, se passas dificuldades. A questão é que você TEM QUE DAR alguma coisa à outra pessoa.

É pelo esquecimento do real apelo desse período, que as pessoas estão cada vez mais doentes da alma.
Numa sociedade onde cada vez mais o TER sobressai-se ao SER, não admira as pessoas viverem com síndromes de pânico, ansiedade crônica, depressões, se sentido vazias, solitárias. Onde os valores do momento são comprar, possuir, ter, disfarçar, não espanta que essas mesmas pessoas estejam vazias de por dentro, dopadas de remédios, de drogas ilícitas ou de álcool apenas para fugirem de si mesmas.

Cada vez mais a sociedade se deixa levar pelo que é fútil e inútil, enquanto o que tem consistência isso é desvalorizado e desprezado. A cada ano que passa mais "abuso" eu tomo daquilo que se conceituou como sendo o "normal" para essa data. E mais me entristeço por ver que o verdadeiro significado do mês vai sendo perdido.

Pior que muitos ditos "cristãos" são os primeiros a entrarem nessa roda viva do mês de dezembro. 
É bom a gente poder ter a casa limpa e arrumada, quem não gosta? Ganhar um presente ou presentear quem a gente ama. Mas, transformar isso no objetivo do final do ano é apenas atender ao "Deus Consumismo", ao "Deus Comércio", e não às demandas reais que Deus, aquele que é pai, nos pede.

Uma sociedade sem Amor no coração é um grande risco.
Um natal sem Jesus presente à ceia, não é natal.

Pensemos nisso.
Bom fim de semana.
Xanda

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Há tempo ...


Há tempo não te vejo 
há tempo não te toco,
há tempo não te sinto
há tempo não te vivo.

Há tempo não escuto a tua voz
há tempo não sinto o teu cheiro
há tempo não contemplo teu olhar
há tempo não posso te admirar.

Há tempo não te beijo
há tempo não te venero
há tempo não te quero.

Houve um tempo para tudo isso
Houve um tempo para ser o certo
Houve um tempo que eu não mais quero.


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Como não?!


E quando a noite tem lua, a vida estua alegre.  
Porque é tempo de luz, é tempo de azul em noites sem breu.
Como não ficar feliz, como não se encantar como normalmente se diz
com as maravilhas que vem do céu?

Não há como negar,
não há como rejeitar a ideia de um arquiteto.
Alguém celestial, como nenhum outro igual
a desenhar e construir uma beleza como essa.

Só sendo cego,
só sendo muito orgulhoso ou até, quem sabe, muito medroso
para não reconhecer que no infinito
só Ele é bendito, só a ele é possível
criar tamanho esplendor.

É por isso que mesmo com a minha arrogância,
me curvo diante Dele.
E em noites como essa louvo ao Criador
Agradecendo o momento bendito
de poder ter olhos para contemplar, amar e admirar 
uma prova inequívoca de tanto amor.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Súplica pelo Sertão ...


Meu povo sofre novamente com a seca,
uma das mais fortes dos últimos tempos, dizimando sem dó nem piedade a vida que vicejava no meu sertão.
Rios estão secos, animais estão mortos, as plantas estão ressecadas, pessoas choram de sede e desespero.
Ô Senhor, o que fazer?

Anos  atrás alguém cantou as dores da seca e dos seus moradores
e nada, absolutamente nada foi feito para mudar essa situação.
A história se repete tal qual a letra da música nos dias atuais.
Que dor Senhor, ver crianças pedindo água pra matar a sede e pais sem ter o que oferecer.

Senhor, pior do que a seca da terra é a aridez do coração dos homens.
Essa, Senhor, não tem chuva que resolva porque ela vem da alma, ela vem do egoismo, ela vem do descaso de um ser humano para com outro ser humano.

Ó Senhor, como dói ver a vida que antes vicejava perecer sem esperança.
Ilumina Senhor, o coração dos homens que tomam conta dos destinos desse país, acaba com essa aridez que desconhece as necessidades de outro ser, que usa dos recursos públicos para sua própria satisfação, que se farta na fartura matando de fome e seca tanta gente.

Senhor, tem dó do meu povo e manda um pouquinho d'água para meu sertão.
Faz a caatinga florir de novo, os pastos ficarem verdinhos para que os animais possam crescer e procriar.
Faz meu povo ter água pra beber, Senhor.
Traz de volta a esperança para os corações que já estão desesperançados.

E como dizia o poeta do sertão,
Oh, Deus, se eu não pedi direito o Senhor me perdoe, eu acho que a culpa foi dessa criatura que nem sabe fazer oração ...



terça-feira, 13 de novembro de 2012

Saudade tem tamanho?


Será que é possível mensurar o tamanho de uma saudade?
E se fosse, qual seria a ordem de grandeza que eu poderia utilizar?
Seriam os metros, quilômetros, anos luz?
Ou seriam os litros, milímetros, as horas?
Quem sabe até a velocidade da luz?

Se saudade se medisse não saberia eu dizer o tamanho da que sinto agora.
Da sensação saudosa e carinhosa que me toma nesse momento,
Da vontade de buscar o complemento
ao contemplar tua imagem.

O coração aperta, um suave calor me toma, algo gostoso.
Algo com vontade de ser saciado, atendido.
Bastaria apenas lhe ver, nada mais.
Ver-te de perto, poder olhar teu rosto e ouvir tua voz.
Apenas isso.

Desejo pouco?
Não. Desejo tudo.
Mas a beleza do sentimento que me toca nesse momento
não merece ser molestado pelo tesão.
Ele pede apenas presença e carinho.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

A morte e o morrer ...

A morte.
O que é morrer realmente?
Será que é o findar das funções orgânicas 
de um corpo?
Sinceramente, não acho.

Acho que morrer é muito mais amplo do que simplesmente a perda de tônus vital 
e da manifestação de um corpo.

Morrer é algo muito mais profundo.
É quando a gente se sente vazio por dentro, oco,
tal qual um buraco negro, uma força lhe puxa para dentro de si mesmo
para o não ser, o não existir.
Morrer é perder o prazer de viver
deixar de querer ser.

Por isso o morrer do corpo é muito melhor.
Ruim é morrer em vida como muitos morrem.
Sem rumo, sem norte, sem prazer, sem alegria de viver.

Em outra oportunidade eu disse: feliz de quem morre bem morrido!
Porque nada há de pior do que morrer sem fenecer,
deixar de existir ainda existindo
findar-se ainda sendo.

Medo de morrer? 
Não o tenho porque sei que permaneço existindo
Tenho medo é de morrer em vida, 
Porque ai a dor e o sofrimento serão superlativos.

E se isto me acontecer terei como única opção
ficar aguardando ansiosamente o dia
em que esse corpo físico perca o viço,
e se transforme de novo em magia.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

No rastro do mar ...

Tão vasto é o mar
e tão belo ele fica quando ela o toca.
Serena, iluminada,
ela esparge seus raios pelo seu leito 
formando um belo caminho de luz.

Em noites como essa,
onde a luz da lua se debruça sobre o balouçar das ondas do mar
volto no tempo e me deixo levar pelos pensamentos
em busca de algo que não consigo lembrar.

Sei apenas que esse manto prateado me convida a navegar,
navegar nos mares dos pensamentos, dos desejos, do lembrar,
lembrar de algo que foi sem nunca ter sido
e pelo qual não vale mais a pena chorar.

É quando vejo a luz serena da lua no mar,
formando o seu rastro prateado
que vejo como navegar é preciso
num carinhoso e manso barco.

Retornar, jamais!!
Avançar sempre.
Ir em frente
sem medo de recomeçar. 

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Queixa? Só a de Caetano Veloso ...

Oi gente!!!
E olha ai, sexta-feira, com lua quase cheia. Sabe o que isso significa??????
Fim de semana daqueles maravilhosamente lindos!! Bom, se São Pedro colaborar, né?
Mas aviso logo que lua cheia mesmo só segunda-feira, às 17h50!!  ;)

Bom, depois do boletim "lunar" desse blog, vamos ao que interessa.
Primeiro uma perguntinha: hoje você já fez alguma reclamação sobre alguma coisa? Não precisa me dizer, tá, apenas pense pra você.
Se a resposta foi sim, pense de novo: e ontem, você reclamou de alguma coisa? Uma, duas ou mais de três vezes ao dia???

Pois bem. Estou lhe perguntando isso porque há um vício que está se tornando "normose" na sociedade de hoje que é a queixa. Se considera normal ou natural se queixar de tudo. Não estou falando aqui daquela reivindicação que visa melhorar alguma coisa. Estou me referindo ao hábito que nós temos de "nos queixarmos" de tudo o que acontece na nossa vida e no entorno dela.

Já perceberam que tem gente que tem a queixa como hábito?? Como assim? Vamos a alguns exemplos.

Tem o cabra que você encontra e pergunta: olá, você está bem? 
E o dito cujo responde: tô melhor do que mereço...
Esse já tá reclamando até dos benefícios que tem.

Tem aquele pra quem você pergunta: Oi fulano, tudo bom?
E a criatura responde: tá nada, rapaz. Tô com um monte de dívida, com dor num sei onde, minha mulher me abandonou ...
Esse é o famoso "tá morto e esqueceu de enterrar".

Tem também aqueles que nem motivo para reclamar teriam. Por exemplo, no amor. Estão com pessoas boas, legais, o relacionamento tá indo às mil maravilhas mas, a criatura resolve achar defeito onde não tem ou, como popularmente se diz, "chifre em cabeça de cavalo".

Ah, também tem gente pra quem tudo caminha bem no campo profissional, financeiro, e a criatura já começa a imaginar que algo de ruim vai acontecer porque "tudo está bom demais pra ser verdade".

Ou seja, no fundo, a grande maioria de nós gostamos mesmo é de que tudo esteja ruim pra gente ter motivo pra se queixar e ficar como vítima. 

Mesmo quando as coisas estão problemáticas, porque tem momentos na vida que a vontade que se tem é de largar tudo e se mandar pra Júpiter, a queixa não é o melhor recurso para esses períodos por um motivo muito simples: ela gera uma energia que só faz piorar a situação em que vivemos ou estamos.

A queixa é um vício. O vício de reclamar, de achar tudo ruim, o vício de querer chamar a atenção do outro para si mesmo, o vício da "vitimose".

Quando encontramos uma pessoa em péssimas condições (para os nossos parâmetros) e que não se queixa ficamos a nos perguntar se "aquela pessoa é demente". Não, ela não é demente. Ela muitas vezes é alguém que sabe tirar as lições que precisa da vida que leva, ou ainda, que aprendeu a se resignar diante da situação e sabe que nada é acaso na vida. Porque não há acasos.

Tudo na nossa vida tem um motivo. Creia você ou não nisso, é assim que as coisas procedem. Ninguém encontra ninguém por acaso, uma pessoa não adoece por acaso, as coisas não se complicam por acaso, um mal ou um bem não nos chegam por acaso.

Há o nosso "dedo" em tudo o que acontece, há a nossa energia, há a nossa mente criando ou destruindo tudo o que se refere a nós mesmos e ao que nos cerca. A mente deve ser o nosso principal foco.

Que tipo de pensamentos você emite diariamente? São de harmonia, equilíbrio? São de positividade diante da vida e das pessoas? São de otimismo? Se forem esses, parabéns!!! Você manda pra si mesmo energias de saúde, equilíbrio, vitalidade e joga isso para o universo. A tendência é que ele lhe responda de forma semelhante.

Mas, não?! Seus pensamentos são de mágoa, raiva, ódio, desânimo, inveja, baixa auto-estima, pessimismo? Você vê segundas intenções em tudo o que os outros (que não seja você) fazem? Você é rígido nos seus pontos de vista? Desculpe meu amigo (a), mas a vida vai lhe devolver exatamente na mesma moeda, na mesma vibração.

O vício, já falamos disso aqui em outro post, não é só aqueles "conceituados" pela sociedade, ou seja, beber, fumar, usar drogas, sexo desregrado. Vício, pela visão da psicologia da alma, é uma atitude mental que nos leva a sermos subjugados por uma pessoa ou situação. Que nos leva a sermos dependentes de alguma coisa. 

Tem gente que é viciada em viver no passado, em cultuar amores que não existem mais, pelo simples fato de temer olhar pra frente e se abrir de novo. Já tem gente que é viciada em apego, não consegue se desligar de coisas ou pessoas e quando essas lhe escapam das mãos entram simplesmente "em pane". Outras criaturas que são viciadas em status!! Perdem dinheiro, um cargo, mas é viciada na aparência e passa a viver uma vida que não existe mais, uma ilusão querendo manter o "velho status". Tem gente que é viciada em ser arrogante. E tem gente viciada em comodismo, em querer que as pessoas resolvam tudo para ela, ou seja, sofre de "síndrome da inoperância congênita" (criei essa agora, tá?!).

Seja lá qual for o seu vício saiba que a resposta para ele está dentro de si mesmo. Tá na hora da gente parar de ter medo de se olhar, de se ver, se quisermos realmente ser feliz. 

Gente, aproveitem esse final de semana para se queixar menos e viver mais.
Se contássemos em minutos e horas a quantidade de tempo que vivemos reclamando da vida e das coisas, veríamos quanto tempo estamos perdendo na vida. Vão ver a lua, passear na praia, andar no parque, correr, andar de bicicleta, jantar com pessoas queridas mas, cuidado com as conversas "queixosas". Se deem um final de semana de folga, please!!!

Deixemos as queixas para Caetano Veloso que fez de uma "queixa-lamento" um grande sucesso. Só na música mesmo, queixa dá algum ibope. Aqui, na vida real, o bom mesmo é aprender e desenvolver o otimismo e a pró-atividade diante da vida. Só isso é o que pode nos trazer saúde, serenidade e boas conquistas.

Curtam o fim de semana iluminado que chega e até segunda!!
Xanda

"Toda queixa viciosa converte-se em crítica injusta à Providência."
Humberto de Campos



domingo, 21 de outubro de 2012

Saudade que quer deixar de ser saudade ...

Hoje preciso escrever.
São muitas emoções num dia só,
sentimentos que brotam sem eu ter domínio,
sem saber direito o que são.

Mas um em particular me assola nesse momento: a saudade.
A saudade de te ver, de te ouvir
a saudade de te tocar, de te sentir.

Gosto da noite, da solitude da noite.
Gosto de mergulhar nela como quem navega sob um céu estrelado.
É nas ondas desse mar chamado noite
que deixo minha mente navegar,
meu sentimento brotar, minha alma falar.

Hoje ela pede tua presença. Não, tua voz.
O som gostoso do teu timbre, da tua voz melodiosa,
da carícia que é ouvir-te.

Hoje eu queria apenas te ouvir, nada mais.
Hoje eu queria apenas te sentir pelos meus ouvidos
e acalmar meu coração, minha solidão, minha saudade.

Saudade que não para de gritar no meu peito
Saudade que pede respeito
Saudade que apenas quer deixar de ser saudade.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

A Menina e o Pássaro Encantado

Oi pessoal!!
Bom dia. 
É, digo bom dia porque já viramos a meia-noite, portanto, já nos encontramos num novo e maravilhoso dia. Hoje só deu para passar aqui agora. E resolvi não escrever, mas trazer para vocês uma história que já li diversas vezes, mas não me canso de relê-la. Ela é do Rubem Alves (para variar, né?!).

O seu conteúdo parece bobo, porém, por meio da metáfora ele nos convida a refletir sobre o tipo de amor que achamos que é certo: o amor apego, o amor que aprisiona. 

Nesta história Rubem Alves nos mostra que só liberto é que o amor realmente pode existir. Não é colocando-o em belas gaiolas ou ao gosto dos nossos quereres e prazeres que ele vai durar. Ele precisa manter-se vivo através do encanto, do encanto do eterno reencontro.

Me calo agora e deixo vocês se deliciarem com esse belo texto.
Bjs e bom final de semana
Xanda


A MENINA E O PÁSSARO ENCANTADO

Era uma vez uma menina que tinha um pássaro como seu melhor amigo.
Ele era um pássaro diferente de todos os demais: era encantado.
Os pássaros comuns, se a porta da gaiola ficar aberta, vão-se embora para nunca mais voltar. Mas o pássaro da menina voava livre e vinha quando sentia saudades… As suas penas também eram diferentes. Mudavam de cor. Eram sempre pintadas pelas cores dos lugares estranhos e longínquos por onde voava. Certa vez voltou totalmente branco, cauda enorme de plumas fofas como o algodão…

— Menina, eu venho das montanhas frias e cobertas de neve, tudo maravilhosamente branco e puro, brilhando sob a luz da lua, nada se ouvindo a não ser o barulho do vento que faz estalar o gelo que cobre os galhos das árvores. Trouxe, nas minhas penas, um pouco do encanto que vi, como presente para ti…

E, assim, ele começava a cantar as canções e as histórias daquele mundo que a menina nunca vira. Até que ela adormecia, e sonhava que voava nas asas do pássaro.
Outra vez voltou vermelho como o fogo, penacho dourado na cabeça.
— Venho de uma terra queimada pela seca, terra quente e sem água, onde os grandes, os pequenos e os bichos sofrem a tristeza do sol que não se apaga. As minhas penas ficaram como aquele sol, e eu trago as canções tristes daqueles que gostariam de ouvir o barulho das cachoeiras e ver a beleza dos campos verdes.

E de novo começavam as histórias. A menina amava aquele pássaro e podia ouvi-lo sem parar, dia após dia. E o pássaro amava a menina, e por isto voltava sempre.
Mas chegava a hora da tristeza.
— Tenho de ir — dizia.
— Por favor, não vás. Fico tão triste. Terei saudades. E vou chorar…— E a menina fazia beicinho…
— Eu também terei saudades — dizia o pássaro. — Eu também vou chorar. Mas vou contar-te um segredo: as plantas precisam da água, nós precisamos do ar, os peixes precisam dos rios… E o meu encanto precisa da saudade. É aquela tristeza, na espera do regresso, que faz com que as minhas penas fiquem bonitas. Se eu não for, não haverá saudade. Eu deixarei de ser um pássaro encantado. E tu deixarás de me amar.

Assim, ele partiu. A menina, sozinha, chorava à noite de tristeza, imaginando se o pássaro voltaria. E foi numa dessas noites que ela teve uma ideia malvada: “Se eu o prender numa gaiola, ele nunca mais partirá. Será meu para sempre. Não mais terei saudades. E ficarei feliz…”

Com estes pensamentos, comprou uma linda gaiola, de prata, própria para um pássaro que se ama muito. E ficou à espera. Ele chegou finalmente, maravilhoso nas suas novas cores, com histórias diferentes para contar. Cansado da viagem, adormeceu. Foi então que a menina, cuidadosamente, para que ele não acordasse, o prendeu na gaiola, para que ele nunca mais a abandonasse. E adormeceu feliz.

Acordou de madrugada, com um gemido do pássaro…

— Ah! menina… O que é que fizeste? Quebrou-se o encanto. As minhas penas ficarão feias e eu esquecer-me-ei das histórias… Sem a saudade, o amor ir-se-á embora…

A menina não acreditou. Pensou que ele acabaria por se acostumar. Mas não foi isto que aconteceu. O tempo ia passando, e o pássaro ficando diferente. Caíram as plumas e o penacho. Os vermelhos, os verdes e os azuis das penas transformaram-se num cinzento triste. E veio o silêncio: deixou de cantar.

Também a menina se entristeceu. Não, aquele não era o pássaro que ela amava. E de noite ela chorava, pensando naquilo que havia feito ao seu amigo…

Até que não aguentou mais.
Abriu a porta da gaiola.
— Podes ir, pássaro. Volta quando quiseres…
— Obrigado, menina. Tenho de partir. E preciso de partir para que a saudade chegue e eu tenha vontade de voltar. Longe, na saudade, muitas coisas boas começam a crescer dentro de nós. Sempre que ficares com saudade, eu ficarei mais bonito. Sempre que eu ficar com saudade, tu ficarás mais bonita. E enfeitar-te-ás, para me esperar…

E partiu. Voou que voou, para lugares distantes. A menina contava os dias, e a cada dia que passava a saudade crescia.
— Que bom — pensava ela — o meu pássaro está a ficar encantado de novo…
E ela ia ao guarda-roupa, escolher os vestidos, e penteava os cabelos e colocava uma flor na jarra.
— Nunca se sabe. Pode ser que ele volte hoje…

Sem que ela se apercebesse, o mundo inteiro foi ficando encantado, como o pássaro. Porque ele deveria estar a voar de qualquer lado e de qualquer lado haveria de voltar. Ah!
Mundo maravilhoso, que guarda em algum lugar secreto o pássaro encantado que se ama…

E foi assim que ela, cada noite, ia para a cama, triste de saudade, mas feliz com o pensamento: “Quem sabe se ele voltará amanhã….”

E assim dormia e sonhava com a alegria do reencontro.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

O medo de amar é ...


O medo de amar é o medo de quem
não quer abrir-se ao novo,
não quer deixar-se vulnerável para o amor.

O medo de amar é o medo de ter
que enfrentar seus medos, seus anseios,
de enfrentar a si mesmo.

O medo de amar é o medo de deixar
a brisa da alegria novamente lhe tomar,
o sol da ventura espantar as sombras da solidão,
o calor da esperança aquecer seu coração.

O medo de amar é a atitude covarde
de quem prefere ser infeliz a viver de novo,
de quem prefere viver a chorar do que sorrir de novo,
de quem prefere viver na escuridão a contemplar a luz do novo. 
(08.10.12)