terça-feira, 29 de janeiro de 2013

A Ti ...

Na mansuetude da noite penso em ti.
A música me leva a te ouvir
Meu coração bate na ânsia de te sentir
Esperando ansioso o porvir.

Tanta vida, tantos caminhos
tantos encontros, tantos desafios
tantos desencontros, tanto choro
tantos lamentos, enfim.

Tudo podia ser bem mais simples,
mas o que é viver de forma simples?
Se tropeçamos nas próprias pernas
e assim complicamos nosso existir?

Tanta vida por viver
tanta coisa por fazer,
tanta vontade de crescer
tudo isso só com você.

E aqui estou, sozinha na noite
ouvindo-te através da música,
vendo-te através da claridade da lua
imaginando estar em ti.

Vida de minha vida,
amor que nunca esqueço
hoje assumo todo esse meu apreço
que é dedicado somente a ti.

Quero-te com a força da natureza
amo-te com a intensidade das ondas do mar
desejo-te com a velocidade dos ventos
te espero como a areia que anseia pelo mar a lhe beijar …

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Noite


Noite.
Linda noite.
Noite de lua
Noite de rua.

Noite de vida,
Noite de clima
Noite de sorrisos
Noite de alegria.

O prazer da amizade
O desejo e a vontade
De nunca mais terminar.

Noite de lua
Noite de rua
Noite que é tua.

(Escrito em Tamandaré/PE, 26.01.13)

sábado, 26 de janeiro de 2013

Na magia do dia ...

Cai a noite
vem o dia
saem as sombras e entra a magia
que bom é mais um dia!

E nesse dia tudo nos é possível
desde o chorar e o lamentar
o sorrir e o florir
o amar e aconchegar.

Com as cores de volta ao mundo
surge a oportunidade de sorrir 
amando o que a vida nos oferece
sem pensar no porvir.

Por isso na magia do amanhecer
encho o coração de esperança
renovo no fundo da alma a lembrança
de que a vida é sempre um ir e vir.

E nessas idas e vindas
encontros e desencontros são fatais
mostrando a nós, meros humanos
que da vida muito mais se faz.

Para quem não acredita em futuro
fica a opção do lamento
a vida é escuridão sempre
e não há colorido nem flores.

Mas, para quem vislumbra um amanhã
fica a certeza de que
não importa o tamanho da noite mais escura
o sol, fatalmente, voltará a nascer.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

É preciso ...

É preciso saber esperar o tempo certo.
É preciso crescer aos poucos, no seu tempo
para que esse crescimento seja completo.
E quando estivermos plenamente cheios e brilhantes,
os encontros, antes aparentemente impossíveis, se tornam certos.
E andamos juntos pelos mares de ébano das noites da vida...

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

No entardecer ...

Cai a tarde, cai o dia
vai-se a luz e a magia
entra o crepúsculo e a sabedoria
do mundo que se envolve no escuro.

No esmaecer das cores 
contemplo a beleza das flores
vejo como são belas e encantadores
as cores que vestem o dia.

A chegada da noite se anuncia
com suas cores pálidas, bem ao contrário do dia
desafiando a tarde que insiste
em não deixar-se ser agonia.

Mas o entardecer tem sua beleza
pois nos lembra os ciclos da vida,
se numa hora somos sol e cores,
na outra somos noite e sinfonia.

Por isso quedo-me a contemplá-lo
mesmo que aparentemente seja algo banal
mas banal mesmo é não saber apreciar os momentos
que a vida nos oferta sem igual.

Se posso ver-te assim tão belo
e se isso me traz tanta ternura e alegria,
porque furtar-me ao prazer de fazê-lo,
e não terminar bem o meu dia?!

Te Contemplo ...

Te contemplo da minha janela.
Lá estás a surgir aos poucos na escuridão do céu.
Aqui também estou fisicamente no escuro
como forma de buscar acender também a minha luz.

Noite enluarada pelo teu brilho,
mostras-me o quanto é ténue a escuridão
o quanto ilusória é a nossa percepção do que vemos
e do quanto criamos de ilusão.

Nesse momento em que te contemplo de minha janela
nada mais desejo do que acompanhar tua tênue luz
nada mais anseio que a penumbra que me cerca
onde apenas tu reluz.

Se eu pudesse nesse momento algo pedir ao Criador
solicitaria a ele ser igual a ti
assim, meramente existir
sem amar ou sentir dor.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Versos de uma noite ...

Chego em casa e já é noite.
Ela não me assusta.
Envolvida pelo ébano me sinto mais calma, quase feliz
deixo-me por ele tocar, sem nada temer.

Para muitos a noite traz medo.
Não tenho medo da noite.
Antes identifico-me com ela
com seu silencio, mistérios e algo mais além.

Porque é no silencio e na penumbra em que mergulho
que busco te ver em mim
busco identificar quem sou,
busco integrar-me ao nada.

A ausência de luz visual me faz navegar em mim mesma
procuro-te nos recônditos de minh'alma.
Qualquer claridade me é agressiva nesse momento
pois é no breu que insinua-se em meu olhar que te enxergo.

Busco-te ao mesmo tempo em que me busco.
Amo-te ou não?
Habitas em mim como uma velha mágoa mal resolvida,
ou como a semente que pode transformar-se num botão em flor?

É no ébano do ambiente
que me vejo e te vejo
que me sinto e te sinto
que me encontro e te encontro.

Mergulhando na minha própria dor
destrinchando a minha própria vida
percebo que ali habitas permanentemente
ali marcas presença como dono de minh'alma.

sábado, 12 de janeiro de 2013

Assim és tu.

Vejo-te sem te enxergar
toco-te sem te tocar
Sinto-te sem te ter perto de mim
Apenas pela força do meu pensar.

Desejo-te com a mesma intensidade de antes,
anseio-te com o mesmo fervor de outrora.
Amo-te com o mesmo amor de sempre
venero-te como em idos tempos.

Mas onde estás, amor meu?
Onde caminhas que não te acompanho?
Onde habitas que não te encontro?

Presença constante em meus pensamentos,
sentimento permanente em meu coração.
Desejo pulsante em mim sempre.

Assim és tu, a quem amo
Esse és tu, a quem clamo
Assim é meu sentir por ti.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Não espere por dias melhores. Faça-os melhores!

Oi gente.
Já estamos em pleno andamento de 2013 um ano regido por Saturno, ou seja, um ano onde a tônica será "colocar ordem na casa". Segundo dizem, ele nos chama "na grande" pra resolver as coisas, para andar na linha. Isso tem a ver com o que eu fiquei pensando em escrever, desde o início de janeiro.

Não lembro se foi no dia 1 ou 2 de janeiro. Sei que foi bem no comecinho do mês. Eu ia para o trabalho e de repente, zapeando no rádio, me deparei com a música Dias Melhores, do Jota Quest, um dos melhores grupos da atualidade no Brasil. E me peguei prestando atenção à letra dela.

A música fala sobre a nossa espera por dias melhores.
Dias em que esperamos a paz, dias em que seremos melhores no amor, na dor, em tudo. E aproveitando esse início de um novo ano, simbolicamente de um novo ciclo de vida pra nós, eu queria refletir justamente sobre isso.

Os dias melhores que todos nós desejamos não podem apenas ser "esperados", eles precisam ser construídos. Construídos por cada um de nós.

Não é ficando de braços cruzados, esperando que as coisas caiam do céu que vamos ter esses dias mais felizes e de paz. Isso vai demandar muito, mas muito trabalho de nossa parte, engajamento, empenho, compromisso. E aqui não me refiro apenas às ações que precisam ser feitas em âmbito social, no meio em que vivemos, mas principalmente ao trabalho que precisa ser efetivado dentro de cada ser.

Dias melhores de paz só serão materializados quando essa mesma paz nascer dentro das pessoas. Não podemos desejar um mundo mais pacífico quando ainda nos enraivecemos por coisas bobas, bestas, como com alguém que dirige devagar na nossa frente; quando somos impacientes e agressivos numa simples filha de um caixa; quando usamos da violência verbal para agredir o outro, quando desenvolvemos raiva e ódio até por irmãos de sangue. Não, não é assim que teremos um mundo de paz.

Não teremos dias melhores na dor enquanto a dor do outro nos for indiferente; enquanto formos os agentes causador da dor do próximo seja pela ação obtusa, criminosa (nas mais diversas formas), seja pela total omissão. Não podemos esperar dias melhores na dor quando a mágoa, a inveja e a cobiça ainda nos cega os olhos e a alma para a diferença da qual o outro é portador; enquanto não aceitarmos a nossa singularidade; enquanto não entendermos que a dor é causada por nós a nós mesmos e que só através do aprendizado que ela nos traz é que podemos caminhar errando menos; sem culpar aos outros pela nossa infelicidade, mas assumindo nossa parcela de responsabilidade nela.

Vivemos esperando o dia em que seremos melhores. Mas, para sermos pessoas melhores precisamos olhar dentro de nós mesmos, encontrar os nossos equívocos, mergulhar na nossa sombra, aceitá-la e reconstruí-la com muita luz. Ter a coragem de mudar. Não tem como ser melhor da "boca pra fora". Só da "boca pra dentro", pois "o que sai pela boca é o que parte do coração". É lá que está a mola mestra da nossa mudança para melhor.

Esperamos dias de mais amor. Mas, como esperar dias de amor se nem sabemos nos amar de verdade? Se não sabemos amar ao próximo? Se não sabemos nos permitir invadir por esse sentimento em sua plenitude? Se nos deixamos levar pelas mágoas, pelo separatismo, pela intolerância; pelo egoismo de querermos ser amados sem amar? 

Para que dias melhores cheguem e sejam pra sempre é preciso a construção gradativa deles dentro de cada um de nós. Começando pelo amor a nós e ao nosso próximo. Usando dos instrumentos do perdão, do auto-amor, da indulgência, da empatia, da tolerância. Buscando a união independente de pensarmos igual, mas visando o mesmo objetivo: o bem comum. 

Ah, dias melhores virão sim, porque essa é a destinação do nosso planeta e feliz quem fizer a sua parte para contribuir para que isso aconteça. Que não se deixar alienar pelas coisas apenas do sensório, do imediatismo e buscar cultivar os sentimentos duradouros e nobres.

Esses dias melhores vão chegar. Porém é preciso que todos nós entendamos que isso será uma construção, primeiramente individual, para em seguida ser coletiva. 
Não tem dia melhor sem pessoas melhores.
Não tem instituições melhores, sem dirigentes melhores.
Não tem leis melhores, sem legisladores melhores.
Não tem vida melhor, sem uma construção diferenciada de cada um para si mesmo.

Portanto, nesse 2013, espero que você se engaje na coisa mais importante que tens a fazer esse ano: se tornar uma pessoa melhor!!
Bjs e bom fim de semana.


quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Do Pássaro para o Mar

Solitário olho o mar,
e penso em sua imensidão.
Vejo o quanto sou pequeno
diante desta vastidão.

Mesmo com minhas asas para voar
preciso parar para te contemplar
chegar bem junto a ti
apenas para te sentir.

Por isso aqui estou, amigo mar
quieto a te olhar
e conversando com o Criador pergunto:
como é que ele pôde te criar?

Não importa se te vejo do céu
ou de pertinho onde estou
importa apenas saber que ai estás
e que eu, aqui estou.

(08.01.13)